quarta-feira, 22 de maio de 2019

Ministra da agricultura da Áustria alerta para desafio que pede beijos a vacas


Iniciativa partiu de uma aplicação suíça com o objetivo de angariar fundos para a caridade

2019-05-16 20:07 / AG

A ministra da agricultura da Áustria, Elisabeth Kostinger, condenou, nesta quinta-feira, o desafio lançado por uma aplicação na Suíça, que incita pessoas a beijarem vacas. O desafio lançado na quarta-feira insere-se numa ação de angariação de fundos para a caridade.

A responsável do governo austríaco avisa que este tipo de ações "pode trazer graves consequências", apontando a possível agressividade das vacas e as potenciais doenças dos animais.

A aplicação Castl pede a todos os utilizadores que beijem as vacas, "com ou sem língua".

A ministra é apoiada pela federação de agricultura da Áustria, que, inclusivamente, alertou para "o fim dos pastos" austríacos, se o desafio continuar.

O governo da Áustria já publicou regras de conduta para as pessoas que passem nas zonas montanhosas, que têm bastante gado.

Simplesmente não percebo", disse a ministra da agricultura da Áustria

 
 Kostinger relembrou que os pastos "não são um jardim zoológico", avisando que as vacas que tenham crias podem tornar-se bastante agressivas para os proteger.

Ao jornal Kurier um veterinário diz que esta prática "coloca em risco a pessoa e o animal".

Rangel defende veto a cortes nos fundos europeus


16.05.2019 às 15h34
 
Paulo Rangel campanha europeias Sernancelhe

RUI DUARTE SILVA

Não o disse quando discursou, mas quando foi abordado por um senhor que tocava concertina e o questionava sobre fundos europeus. "Connosco não haverá cortes no fundo de coesão, isso não vai haver. Porque nós exerceremos o veto se for caso disso"
Mariana Lima Cunha
MARIANA LIMA CUNHA
A notícia surgiu de forma, no mínimo, inesperada. Já Paulo Rangel tinha discursado num almoço em Sernancelhe, já tinha falado de fundos europeus e já se preparava para passar ao porco no espeto quando foi abordado por um homem que tocava concertina. Às perguntas deste sobre fundos europeus, feitas em forma de rima, respondeu com uma novidade: com o PSD, não haverá cortes nestes fundos porque o partido exercerá o direito de veto se for preciso - caso vença as eleições e forme Governo depois de outubro. Aliás, Marisa Matias defendeu exatamente o mesmo em entrevista ao Expresso: "Se se mantiver esta tendência, o Governo português não terá outra opção a não ser vetar o orçamento europeu", disse em fevereiro.

Paulo Rangel tinha acabado de fazer um discurso em que os fundos europeus foram, precisamente, o foco principal.O eurodeputado candidato à reeleição dizia que "85% do investimento público" em Portugal é europeu e acusava: "Este Governo, pela mão do cabeça de lista, aceitou, está a dizer que é um bom tratado, que Portugal perca 7% dos fundos de coesão, 1600 milhões de euros". No entanto, essa é a proposta da Comissão Europeia e o acordo ainda não está fechado.

E prosseguiu, dirigindo-se ao público que o ouvia: "Muitos [de vocês] têm as vidas ligadas à agricultura. Mas os agricultores portugueses vão perder, nos pagamentos diretos, 10% - 500 milhões de euros. Nas ajudas do segundo pilar, para o desenvolvimento rural, a perda éde 1200 milhões, 25%. Isto faz uma perda de 1700 milhões na agricultura". Conclusão? É preciso "castigar, penalizar, censurar o PS, que não tem dó nem piedade com o interior e a agricultura. São vocês os primeiros prejudicados com as negociações que foram feitas em Bruxelas e nós nunca vamos aceitar isso".

O social-democrata disse que nunca aceitaria, mas não concretizou. No entanto, logo a seguir, foi abordado pelo homem que tocava concertina e improvisava rimas sobre fundos europeus: "Quero-lhe fazer uma pergunta/o que nos pode trazer/ Não leve a mal/ eu digo isto a cantar/mas é com honestidade que lhe estou a perguntar". Rangel esclareceu que não responderia a cantar ("estou rouco"), mas completou: "Há uma coisa que posso garantir: connosco não haverá cortes no fundo de coesão, isso não vai haver. Porque nós exerceremos o veto se for caso disso".

Governo instala em Elvas laboratório de combate aos efeitos das alterações climáticas

15/5/2019, 9:40

Um laboratório corporativo vai ser instalado em Elvas de forma a encontrar soluções "para uma agricultura sustentável, mais amiga do ambiente e mais capaz de responder aos desafios".

Por outro lado, esta iniciativa vai contribuir para a "fixação de quadros de elevada competência" no interior
NUNO VEIGA/LUSA

O Governo, em parceria com instituições científicas, empresas e associações agrícolas, vai instalar, em Elvas, distrito de Portalegre, um laboratório corporativo que visa desenvolver soluções para uma agricultura capaz de responder a desafios provocados pelas alterações climáticas.

"A iniciativa envolve vários parceiros como […] um conjunto de instituições do mundo científico, empresarial e associativo agrícola que vão, em conjunto, cooperar. O espaço físico é na estação nacional de melhoramento de plantas, [em Elvas], onde vão ser investidos 2,4 milhões de euros em termos de equipamento e melhoramento de instalações, a que se associará a contratação de um conjunto de cientistas", afirmou o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, em declarações à Lusa.

A iniciativa é da responsabilidade do Ministério da Ciência, sendo o Ministério da Agricultura um dos parceiros envolvidos no projeto.

De acordo com o governante, o objetivo da instalação deste laboratório passa por juntar todos os intervenientes para que "sejam equacionados problemas e, a partir dessa equação, lançados projetos que deem resposta a cada um deles".


Trata-se de encontrar soluções "para uma agricultura sustentável, mais amiga do ambiente e mais capaz de responder aos desafios", explicou.

Por outro lado, esta iniciativa vai contribuir para a "fixação de quadros de elevada competência" no interior.

"Nós estamos confrontados com uma realidade incontornável que são as alterações climáticas, cujas consequências começam a ser percecionadas e para as quais a ciência tem que encontrar respostas", notou Capoulas Santos.

Nesse sentido, é necessário "encontrar variedades de plantas que consumam menos água, que sejam mais resilientes às doenças […] e encontrar instrumentos que nos permitam combater pragas e doenças sem ser pelas formas convencionais, pela utilização de pesticidas e agroquímicos", defendeu.

O responsável pela pasta da Agricultura assegurou ainda que o laboratório está "numa fase avançada" e que está agora em construção a agenda de investigação, no âmbito da qual serão contratados os cientistas.

"Gostaria de demonstrar o meu apreço por todos aqueles que trabalham na estação de melhoramento de Elvas e por todos os agricultores que têm, ao longo dos anos, contribuído para que vamos paulatinamente encontrando soluções que nos permitam responder aos grandes desafios com que o setor agrícola se defronta e que têm permitido que a agricultura portuguesa seja hoje o setor que cresce acima do resto da economia", concluiu.

Nuno Banza é o novo presidente do ICNF

21-05-2019

O até aqui inspetor-geral do Ambiente assumiu esta terça-feira o novo cargo à frente do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, substituindo Rogério Rodrigues

Nuno Banza, que ocupava o cargo de Inspetor-Geral da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território (IGAMAOT) desde maio de 2014, assumiu esta terça-feira a presidência do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, apurou o Expresso. O engenheiro do Ambiente, doutorando em Alterações Climáticas e Políticas de Desenvolvimento Sustentável, substitui o engenheiro florestal Rogério Rodrigues.

No novo conselho diretivo do ICNF — que passou a instituto de regime especial com a lei orgânica publicada a 29 de março — mantêm-se Paulo Salsa (gestor) como vice-presidente e Nuno Sequeira (engenheiro florestal fica com a área dos incêndios rurais), Sandra Sarmento (arquiteta paisagista, fica com a região Norte) e Rui Pombo (engenheiro florestal, passa a tutelar a região de Lisboa e Vale do Tejo). A estes vogais regionais juntam-se Teresa Fidélis (doutorada em ciências do Ambiente que fica com o Centro), Olga Martins (especialista em recursos hídricos que fica com o Alentejo) e Castelão Rodrigues (engenheiro zootécnico que passa a tutelar o Algarve).

Ao que o Expresso apurou, a nova orgânica "aposta na desconcentração territorial, com o reforço das direções regionais e uma aposta na cogestão das áreas protegidas em articulação com as autarquias e outras entidades locais ou regionais, assim como novas atribuições de combate aos incêndios rurais, consignadas no sistema de gestão integrada de fogos rurais (SGIFR)".

Recorde-se que durante a presidência de Rogério Rodrigues, o ICNF foi multado pela Guarda Nacional Republicana (GNR) por ter falhado os prazos de limpeza da Mata Nacional de Leiria e as respetivas faixas de proteção rodoviária em 2018. O ICNF foi então alvo de várias contraordenações por ter violado as normas do Sistema Nacional de Defesa da Floresta Contra Incêndios.

De alicate na mão, Melo e Cristas defendem Erasmus para agricultores

16.05.2019 às 18h53


NUNO VEIGA/LUSA

"Alentejo num dia" resume a passagem do CDS por Portalegre, Évora e Beja. Para falar de agricultura, a líder do partido encontrou-se com Nuno Melo nas vinhas das uvas sem grainha, na Herdade Vale da Rosa, onde há trabalhadores de oito nacionalidades. O maior problema, defendem, é o envelhecimento no sector agrícola - e para isso querem intercâmbio europeu de jovens agricultores

Cerca de 300 pessoas trabalham nas vinhas da Herdade de Vale da Rosa, em Ferreira do Alentejo. Têm em média 37 anos, a maioria é de nacionalidade portuguesa, mas também há quem venha do Nepal, Bangladesh e Tailândia, além de 40 lusovenezuelanos, que o proprietário da herdade quer que venham a ser 400. Foi com esses trabalhadores que Nuno Melo e Assunção Cristas se cruzaram nas vinhas, na tarde desta quinta-feira, onde andaram a cortar as pontas dos futuros cachos de uvas.

"É um trabalho de extrema delicadeza", concluiu Assunção Cristas, enquanto "mondava" as pontas dos cachos para que possam fortalecer. "E é um trabalho à sombra", acrescentou Nuno Melo, debaixo das vinhas tapadas por plásticos, enquanto guardava na mão as pontas dos cachos que ia cortando. "O senhor deputado compreende-nos bem porque também é agricultor", rematou António Silvestre Ferreira, comendador e proprietário da herdade que produz 8 mil toneladas de uvas por ano e exporta 30%.

Nuno Melo aproveitou a visita à herdade para plantar na campanha às Europeias o tema da agricultura, reforçado com a presença de Cristas, responsável por essa pasta no anterior Governo. "Na União Europeia, por cada agricultor com menos de 35 anos há nove agricultores com mais de 55 anos. Isto dá uma ideia do envelhecimento dos agricultores. Não está a haver renovação do ponto de vista geracional", explicou o cabeça de lista do CDS às Europeias.

"A agricultura não se renova porque os jovens não veem este como um sector apelativo. Mas pode ser estratégico." E é por isso que propõem um Erasmus para agricultores: uma espécie de intercâmbio de jovens agricultores europeus que possam estagiar em diferentes países. "Como temos o projeto 'Plástico Zero', criámos o 'Semente Europa'. Passaria a ser possível ter agricultores irlandeses, franceses, polacos ou espanhóis a estagiar aqui, como os universitários de Erasmus".

Sob as vinhas e quando questionado sobre que tipo de grainha tiraria desta campanha, Nuno Melo disse que seriam as 'fake news'. E aproveitou para voltar a criticar os 'fake rankings', como o ranking da influência dos deputados. "Quando não se avalia o trabalho, avalia-se a influência. Se fosse o trabalho, o CDS estava no início. E não sei o que é isso da influência. Só a simples circunstância de se ser socialista já dá mais pontos."

FIXAR OS LUSOVENEZUELANOS NO ALENTEJO
A mão de obra é uma das preocupações de António Silvestre Ferreira e isso também fez com que criasse uma fundação destinada a dar formação a futuros trabalhadores. "Não temos quadros de comando aqui, porque esta era uma região onde se achava que não se precisava de gente", apontou António Silvestre Ferreira. "Os trabalhadores que vêm da Ásia são fantásticos, só que acabam por não ficar um segundo ano. Já os lusovenezuelanos tentam fixar-se aqui e é bom trazê-los para o concelho, com as suas famílias, para fazer crescer a população. Como diz o presidente da câmara, Ferreira do Alentejo tem agora menos de metade dos habitantes que tinha em 1950."

Sobre a questão do regresso a Portugal dos emigrantes lusovenezuelanos, Assunção Cristas disse que o partido "tem estado mais atento à forma de os acolher". "Muitos pedem oportunidades para trabalhar. E é bom ver uma empresa com essa preocupação em particular."

Entre junho e novembro, na altura da colheita das uvas, o Vale da Rosa chega a ter mil trabalhadores. No caso dos que vêm de fora, é-lhes dado apoio no alojamento, nos contentores de casas localizados perto da herdade, e é-lhes pago o transporte entre a casa e o trabalho. Os operadores agrícolas ganham o salário base - que corresponde ao salário mínimo - a que são acrescentados os subsídios de férias e de almoço.

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Aberto novo concurso ao programa de regadios com 60 ME de dotação


Lisboa, 13 mai 2019 (Lusa) -- O Governo anunciou hoje que está aberto um novo concurso ao programa de regadios, com uma dotação de 60 milhões de euros para financiar projetos no Algarve e Sudoeste Alentejano, Litoral Norte e Centro e Interior Norte e Centro.

Este montante junta-se aos 93 milhões de euros para financiar projetos situados no Alentejo, cujas candidaturas já estão abertas desde 02 de maio.

"Trata-se da segunda fase do PNRegadios [Programa Nacional de Regadios], financiada pelo Estado através dos empréstimos negociados com o Banco Europeu de Investimento (BEI) e com o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa (CEB)", indicou, em comunicado, o Ministério da Agricultura.

Os projetos podem ser submetidos até ao final de maio e deverão ser titulados pela Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR), pelas Direções Regionais de Agricultura e Pescas (DRAP) ou por outros organismos da Administração Pública, como Câmaras Municipais, em parceria com a DGADR ou com as DRAP.


De acordo com o Governo, o nível de apoio a conceder, a fundo perdido, é de até 100% do valor de investimento, sendo limitado a 40% para as instalações de produção de energia hídrica ou fotovoltaica.

"Serão valorizadas as infraestruturas de armazenamento já construídas e operacionais que tenham, ou garantam, a implementação de um regime de caudais ecológicos", lê-se no documento.

Não há limite para o número de candidaturas apresentadas, isoladamente ou em parceria, por cada beneficiário, sendo o valor máximo de cada candidatura de 15 milhões de euros.

"São elegíveis despesas com estudos ligados à elaboração do projeto, expropriações e indemnizações decorrentes da implementação da obra e as obras de execução de projeto", avançou o ministério tutelado por Capoulas Santos.

O Programa Nacional de Regadios, cuja primeira fase está em execução, tem por objetivo mitigar os efeitos das alterações climáticas sobre a agricultura, "dotando o país de mais reservas de água e de melhores e mais eficientes sistemas de aproveitamento".

Este plano prevê ainda aumentar a produtividade e a competitividade da agricultura nacional, "contribuindo para o aumento das exportações e para a substituição de importações por produção nacional".

A primeira fase do PNRegadios deverá estar concluída até 2023 com a criação de 100 mil novos hectares de regadio, a que corresponde um investimento público de 560 milhões de euros e a criação de 10 mil novos postos de trabalho permanentes.

Ministros do G20 acordam liderar redução do desperdicio de alimentos

12.05.2019 09:25 por Lusa 11

Representantes da Agricultura também concordaram em intensificar os esforços para aumentar a produtividade através do uso de novas tecnologias, a fim de enfrentar a alimentação da crescente população mundial.

Os ministros da Agricultura dos países do G20 prometeram este domingo liderar a redução do desperdício de alimentos, no final de uma reunião de dois dias realizada na província de Niigata, no noroeste de Tóquio.

Numa declaração conjunta, os representantes da Agricultura também concordaram em intensificar os esforços para aumentar a produtividade através do uso de novas tecnologias, a fim de enfrentar a alimentação da crescente população mundial.


 Desperdício em Lisboa alimentou cerca de 6.500 famílias Desperdício em Lisboa alimentou cerca de 6.500 famílias
"Inovação e conhecimento são críticos para o crescimento sustentável da produtividade no setor agroalimentar", lê-se num comunicado divulgado pela agência de notícias japonesa Kyodo.

Os ministros e outros representantes que participaram nas negociações destacaram "o enorme potencial" das tecnologias inovadoras, como a robótica ou a inteligência artificial, como meios a aplicar no setor para atingir esses objetivos.

Os participantes da reunião também pediram colaboração para enfrentar os desafios globais, como a fome e o desenvolvimento da agricultura sustentável.

A reunião em Niigata, região conhecida pelo cultivo de arroz, foi a primeira reunião ministerial anterior à cimeira do G20, que ocorrerá entre 28 e 29 de junho em Osaka, no oeste do Japão.

A próxima reunião ministerial é a dos titulares das pastas das finanças e dos governadores dos bancos centrais, de 8 a 9 de junho.

O grupo dos países mais desenvolvidos e emergentes (G20) inclui Argentina, Austrália, Brasil, Reino Unido, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coreia do Sul, Turquia e os Estados Unidos e a União Europeia.

A reunião da agricultura, que terminou hoje, contou com a participação de representantes da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e de países não-membros, como Chile e Tailândia.

PAN quer mais apoios comunitários para agricultura tradicional


19 mai, 2019 - 15:10


O cabeça de lista do PAN às europeias visitou este domingo o mercado de agricultura tradicional de Alvor, em Portimão, para apresentar as medidas de política europeia que defendam e apoiem os pequenos produtores de agricultura familiar.

"Os agricultores estão muito desiludidos com os partidos tradicionais, que durante várias décadas dizem defender esta agricultura familiar, mas que não o fazem. Daí querermos debatermo-nos na Europa por medidas mais concretas de apoio a estes pequenos agricultores", disse aos jornalistas Francisco Guerreiro, candidato do PAN - partido Pessoas-Animais-Natureza.

O cabeça de lista do PAN às eleições europeias e André Silva, porta-voz do partido e deputado, percorreram as cerca de duas dezenas de postos de venda de produtos agrícolas biológicos instaladas na zona ribeirinha de Alvor, onde distribuíram documentos e apresentaram algumas das medidas europeias defendidas pelo partido.
O candidato explicou que o objetivo da visita ao mercado que se realiza todos os domingos na zona ribeirinha de Alvor, "tem ver a com a sua importância a nível de agricultura familiar e mostrar que o partido tem propostas concretas para apresentar à Europa".

"Queremos garantir que estes pequenos produtores, que beneficiam toda uma economia local, conseguem ter apoios comunitários para conseguir ter resiliência na sua atividade diária", sublinhou.

Segundo o candidato, a escolha de Alvor, no concelho de Portimão, no distrito de Faro, para a ação de campanha, pesou também por ser uma vila piscatória, "atividade económica que tem problemas que necessitam de resolução, nomeadamente ao nível da sobrepesca".

Francisco Guerreiro considera que "existe a incapacidade dos Estamos membros em chegarem a um acordo para terminarem com o problema da sobrepesca no espaço europeu", para o qual defende uma "resposta mais clara e concisa dos riscos do aumento de sobrepesca".

"Temos de ser audazes e perspicazes e falar diretamente com a comunidade piscatória e alertar para os perigos de ficarmos sem 'stocks' piscícolas. É importante que eles percebam que fazem parte da solução", destacou o candidato do PAN, defendendo mais apoio para os pescadores para que estes "consigam realmente viver no dia a dia sem ter de pescar".

O candidato aproveitou também a deslocação à vila de Alvor para falar de política ambiental, "mais concretamente de uma medida apresentada pelo partido, que é a possibilidade de recolha de resíduos plásticos do mar pelos pescadores".

"Queremos que haja apoio à comunidade piscatória para retirar artes de pesca e resíduos plásticos do mar e que os consigam encaminhar para um sistema de resíduos. Temos que trazer os pescadores para esta temática da poluição marítima e fazer com estes resíduos consigam vir para terra e incorporem na economia circular, porque há uma poluição muito generalizada nos oceanos", concluiu.

Por seu turno, André Silva, o deputado do PAN que acompanhou o cabeça de lista do partido às europeias, disse que as expectativas quanto a um resultado eleitoral "são boas, devido ao maior conhecimento do partido e ao reconhecimento do trabalho que tem sido feito".

"Temos sentido ao longo dos últimos dias, um maior reconhecimento do trabalho e também o facto de serem cada vez mais as pessoas que pensam como nós e que aderem às ideias que temos para passar, nomeadamente de um partido com sensibilidade ambiental na Europa ", destacou.

O mundo precisa de cem milhões de campos de futebol para a agricultura


16/5/2019, 16:20

Novo estudo avalia o que é preciso fazer para que a população mundial satisfaça necessidades de água e alimentos até 2050 de forma sustentável.

Como é que o mundo pode aliviar a pressão sobre a necessidade de água no futuro, se cerca de 70% da água doce a nível global é usada para culturas agrícolas irrigadas e se, segundo as Nações Unidas, a população mundial avança para os 9 mil milhões de habitantes até 2050? Um estudo publicado na revista Nature Sustainability avança com a solução.

"Para produzir a nossa alimentação de forma sustentável e respeitando as necessidades ambientais, será necessário expandir a área de terra utilizada para agricultura em 100 milhões de hectares – aproximadamente 100 milhões de estádios de futebol – até 2050", explica Amandine Pastor, autora do estudo e colaboradora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Em comunicado, o centro da Faculdade de Ciências diz que o estudo tem em conta as necessidades globais de alimentos e água até 2050, e a forma como estes recursos se relacionam entre si, e quantifica o efeito da proteção dos ecossistemas aquáticos nas captações de água, na produção global de alimentos e nos fluxos comerciais.

Os investigadores usaram "cenários de mudanças climáticas e cenários de mudanças socio-económicas desenvolvidos pela comunidade científica para o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas".

Amandine Pastor, que também integra o Instituto de Investigação para o Desenvolvimento, em França, entende que "será necessário reduzir as culturas intensivas em áreas secas, redistribuir a produção agrícola de alimentos em regiões abundantes em água" e aumentar o comércio internacional de alimentos.

"Os resultados do estudo indicam que será necessário um fluxo adicional de 10% a 20% de comércio desde regiões abundantes em água para regiões com escassez de água a fim de respeitar as regulações ambientais que asseguram a saúde dos ecossistemas", adianta. Os principais fluxos vão da América Latina para o Médio Oriente e China.

Apesar da crescente poluição e dos impactos das mudanças climáticas, Amandine Pastor acredita que será possível manter a segurança alimentar e os requisitos de conservação dos ecossistemas de água doce até 2050. Mas apenas se forem adotadas "práticas sustentáveis e inovadoras, como cultivar em zonas agro-climáticas apropriadas". Por exemplo, "plantar culturas menos intensivas em água em áreas secas -, desenvolver a agricultura urbana e vertical e reduzir o consumo de carne na dieta humana", conclui a investigadora.

“Irrigação gota a gota é chave na agricultura inteligente e é importante para melhorar o destino dos povos e das comunidades”


16.05.2019 às 18h04

 
Naty Barak, diretor de Sustentabilidade da Netafim, abre a série de artigos de opinião e mini-entrevistas, que publicaremos até à próxima segunda-feira, e antecipam o arranque do "Portugal Smart Cities Summit 2019", evento com 11 conferências divididas por três dias, 21 a 23 de maio, para discutir que "O Futuro Passa Aqui" quando falamos de cidades inteligentes. Naty Barak é um dos principais oradores do painel dedicado à "Água e Cidades do Futuro: construindo a realidade" e fala-nos do bom exemplo de Israel. Acompanhe o debate aqui no Expresso, parceiro do evento

NATY BARAK, DIRETOR DE SUSTENTABILIDADE DA NETAFIM

Em locais de escassez de água, o foco não é apenas na gestão do abastecimento de água, mas no uso eficiente dos recursos hídricos disponíveis. Uma vez que mais de 70% da água que consumimos em todo o mundo vai para a agricultura, e que haverá cerca de 11 mil milhões de bocas para alimentar até 2100, melhorar a eficiência de irrigação terá um impacto potencialmente significativo no uso global de água.

Os sistemas de irrigação gota a gota, desenvolvidos pela Netafim no deserto de Negev, em Israel, envolvem a focalização precisa de água e nutrientes para a planta e raiz. Isso evita que a água seja desperdiçada no resto do solo e otimiza as condições de humidade e ventilação, resultando numa maior produtividade e significativa poupança de água, energia e fertilizantes. Assim, a irrigação gota a gota é um componente chave na agricultura inteligente que é importante para melhorar o destino dos povos e das comunidades.

Em Israel, mais de 75% da agricultura irrigada utiliza a irrigação gota a gota. Quase 85% dos efluentes de Israel são reciclados, posteriormente purificados em bacias por oxidação aeróbia e anaeróbia e enviados para reservatórios de armazenamento para as necessidades agrícolas, melhorando a resistência contra a seca.

A irrigação gota a gota converteu o deserto israelita em terrenos agrícolas e está a fazer o mesmo um pouco por todo o mundo. Por exemplo, a irrigação gota a gota foi adotada para prevenir a seca/inundações na Califórnia, e para a prática de agricultura economicamente viável na Índia.

A integração da irrigação gota a gota nas tecnologias digitais agrícolas reforça ainda mais as vantagens sustentáveis deste sistema. A plataforma NetBeat da Netafim™ é um exemplo de tecnologias de 'agricultura inteligente'. Usando sensores em campo, o sistema recolhe em tempo real dados de colheitas e meteorológicos, analisa-os na nuvem utilizando modelos de colheita sofisticados e, em seguida, dá aos agricultores recomendações automatizadas que permitem otimizar as decisões de irrigação, fertirrigação e proteção das culturas. O resultado é uma melhoria da capacidade dos agricultores de produzirem mais, utilizando menos água e outros.

O EXEMPLO DE ISRAEL
60% de Israel é deserto. O resto é semiárido. A economia hídrica está sempre à beira da catástrofe. Nos últimos anos, as reservas de água de Israel têm caído abaixo de todas as linhas vermelhas e foram tomadas medidas drásticas de curto prazo: Taxação diferencial da seca e proibição de irrigação por outros meios que não a água residual reciclada. Israel adotou uma política coordenada para superar os desafios da escassez de água. Isto incluiu um enquadramento jurídico claro, uma gestão integrada da água, uma sociedade de poupança de água, Economia de água, Tecnologia e Inovação.

A irrigação gota a gota está dentro da Tecnologia & Inovação. Bem como a reutilização de águas residuais e a dessalinização.

Israel é líder em dessalinização da água do mar através da Osmose Inversa (OI). 80% da nossa água potável vem da dessalinização. O processo de dessalinização com utilização intensiva de energia usa bombas de pressão para empurrar a água do mar filtrada através de membranas delicadas, produzindo água doce e salmoura grossa. Para evitar o impacto ambiental negativo grave sobre a vida marinha, são construídas fábricas de dessalinização ao lado de centrais elétricas onde se adiciona lentamente a salmoura às águas de refrigeração da central, diluindo o efluente antes de o devolver à água do oceano. A dessalinização também tem um impacto económico: o consumo de energia para a dessalinização da água do mar, normalmente, opera de 3 a 4 kWh/m3. A maior fábrica de dessalinização do mundo, em Sorek, Israel, produz 150 Mm3/a a um custo de 0,52 dólares/m3.

RECICLAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS
60% da água de irrigação vem de águas residuais. Israel reutiliza 90% dos seus efluentes. As razões para a reciclagem são óbvias: Novos recursos hídricos limitados, alívio na procura de água potável, reduzir a poluição de rios e estuários e oferecer o fornecimento fiável de água à prova de seca. Existem obstáculos à reutilização de águas residuais, tais como o custo, a perceção do público, a falta de orientações regulamentares, mas não há aqui nenhum problema técnico, e as cidades precisam de fornecer uma solução para os seus efluentes.

A água é essencial para as smart cities, em diversos aspetos: parques e jardins, segurança alimentar e agricultura urbana, edifícios verdes, uso de água urbana. Em parques e jardins, utilizamos a irrigação. Acompanhamos e controlamos a humidade do solo e plantas, utilizando dados cloud-based. Em edifícios verdes recolhemos a água da chuva, tratamos a água, gerimos lagoas, telhados verdes e jardins de chuva. Monitorizamos e controlamos a nossa água potável, águas pluviais e águas residuais.

A agricultura urbana é uma resposta à crescente urbanização e responde à urgente questão da segurança alimentar. Quintais e hortas comunitárias, estufas - residenciais, comerciais ou comunitárias, jardins nos terraços, paredes verdes e quintas verticais.

Existe uma relação clara - comida - água - energia. As cidades inteligentes precisam seguir os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável). É nosso dever fazer andar a economia circular. A tecnologia e a inovação são necessárias. A oferta de tecnologias climáticas inteligentes e disruptivas podem ser disseminadas para outras cidades.

Os ODS devem ser a nossa bússola. Eles ajudam-nos a construir a nossa estratégia e alcançar o nosso objetivo.

sexta-feira, 17 de maio de 2019

O mundo precisa de cem milhões de campos de futebol para a agricultura

16/5/2019, 16:20

Novo estudo avalia o que é preciso fazer para que a população mundial satisfaça necessidades de água e alimentos até 2050 de forma sustentável.

Como é que o mundo pode aliviar a pressão sobre a necessidade de água no futuro, se cerca de 70% da água doce a nível global é usada para culturas agrícolas irrigadas e se, segundo as Nações Unidas, a população mundial avança para os 9 mil milhões de habitantes até 2050? Um estudo publicado na revista Nature Sustainability avança com a solução.

"Para produzir a nossa alimentação de forma sustentável e respeitando as necessidades ambientais, será necessário expandir a área de terra utilizada para agricultura em 100 milhões de hectares – aproximadamente 100 milhões de estádios de futebol – até 2050", explica Amandine Pastor, autora do estudo e colaboradora do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Em comunicado, o centro da Faculdade de Ciências diz que o estudo tem em conta as necessidades globais de alimentos e água até 2050, e a forma como estes recursos se relacionam entre si, e quantifica o efeito da proteção dos ecossistemas aquáticos nas captações de água, na produção global de alimentos e nos fluxos comerciais.

Os investigadores usaram "cenários de mudanças climáticas e cenários de mudanças socio-económicas desenvolvidos pela comunidade científica para o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas".

Amandine Pastor, que também integra o Instituto de Investigação para o Desenvolvimento, em França, entende que "será necessário reduzir as culturas intensivas em áreas secas, redistribuir a produção agrícola de alimentos em regiões abundantes em água" e aumentar o comércio internacional de alimentos.

"Os resultados do estudo indicam que será necessário um fluxo adicional de 10% a 20% de comércio desde regiões abundantes em água para regiões com escassez de água a fim de respeitar as regulações ambientais que asseguram a saúde dos ecossistemas", adianta. Os principais fluxos vão da América Latina para o Médio Oriente e China.

Apesar da crescente poluição e dos impactos das mudanças climáticas, Amandine Pastor acredita que será possível manter a segurança alimentar e os requisitos de conservação dos ecossistemas de água doce até 2050. Mas apenas se forem adotadas "práticas sustentáveis e inovadoras, como cultivar em zonas agro-climáticas apropriadas". Por exemplo, "plantar culturas menos intensivas em água em áreas secas -, desenvolver a agricultura urbana e vertical e reduzir o consumo de carne na dieta humana", conclui a investigadora.

quarta-feira, 15 de maio de 2019

“Quando temos um Nabeiro não precisamos de nenhum Clooney.” Palavra de António Costa

15.05.2019 às 14h56

O primeiro-ministro esteve na apresentação da estratégia global de sustentabilidade do Grupo Nabeiro, onde foi apresentada a primeira cápsula de café sem plástico, concebida à base de milho, cana de açúcar e mandioca

O primeiro-ministro afirmou esta quarta-feira que quem tem um empresário como Rui Nabeiro, fundador da Delta, não precisa de ter "nenhum [George] Clooney", no dia em que o grupo apresentou a primeira cápsula de café 100% biodegradável.

António Costa falava na apresentação da estratégia global de sustentabilidade do Grupo Nabeiro - Delta Cafés, na Estufa Fria, em Lisboa, onde a Delta Q apresentou a primeira cápsula de café sem plástico, concebida à base de milho, cana de açúcar e mandioca.

"Há uma coisa que é muito clara hoje para todos nós: quando temos um Nabeiro não precisamos de nenhum Clooney", afirmou o primeiro-ministro, aludindo a uma comparação com o ator norte-americano protagonista das campanhas de publicidade da concorrente da Delta, arrancando palmas e risos da plateia.

"É muito importante que uma empresa olhe para o seu futuro, como vemos pela longevidade do fundador do grupo Delta, a Delta tem muitíssimo futuro", afirmou António Costa, destacando o "compromisso da Delta com a sustentabilidade social".

A Delta, prosseguiu, "foi a primeira empresa portuguesa a ser certificada com base no programa de conciliação familiar, profissional e pessoal".

O primeiro-ministro apontou ainda o compromisso do grupo de café de Campo Maior na área da sustentabilidade ambiental, que classificou de "vital", e destacou a necessidade de se "cuidar do futuro da Terra (...) hoje".

"Mesmo para os mais otimistas, à cautela, convém pensarmos que muito provavelmente não há outro planeta onde possamos viver", prosseguiu o governante.

"E, portanto, mais vale prevenir e conservar este [planeta] antes de nos arriscarmos a perder este. Mais vale um planeta na mão do que nove a voar", rematou.

António Costa destacou ainda que a Delta tem feito compromisso "em todo o sítio" e "não é só na terra onde os Nabeiros nasceram", e lembrou que após a declaração de independência de Timor, o grupo foi o primeiro a ir comprar café àquele mercado.

"Sabemos agora que Açores é também o único sítio da Europa que tem café" afirmou António Costa, aludindo ao anúncio feito pelo administrador grupo Nabeiro, Rui Miguel Nabeiro, que a empresa vai apoiar até 500 produtores de café naquele arquipélago nos próximos 15 anos.

"É com esta parceria [entre os cafeeiros açorianos e a Delta] que nós vamos passar a poder beber aqui café dos Açores", salientou António Costa, apontando que este "vai ser seguramente um grande compromisso para a sustentabilidade" da região.

Relativamente a uma parceria entre a Delta e a 'startup' de um belga Natan Jacquemin, que através da NÃM produz cogumelos através de um processo inovador de transformação de borras de café, localizado no Intendente, em Lisboa, o primeiro-ministro afirmou que tal demonstra que as 'startups' não são só "apps" [aplicações].

Este projeto vem de "uma semente que estava na terra e a Delta está a ajudar a semente a nascer", salientou.

O primeiro-ministro sublinhou ainda o "exemplo extraordinário de economia circular que é transformar o Largo do Intendente, que era outra coisa bastante diferente" há alguns anos "num local" onde são produzidos cogumelos, num comentário que animou a audiência.

domingo, 12 de maio de 2019

Governo prepara medidas para prevenir peste suína africana


08 DE MAIO DE 2019 - 22:25

Controlo de viajantes é uma das medidas preventivas que está em cima da mesa.

O ministro da Agricultura disse hoje, em Rio Maior, que o Governo está a preparar medidas, como a redução de javalis e controlos de viajantes, para evitar que o vírus da peste suína africana (PSA) afete a suinicultura nacional.

Luís Capoulas Santos, que hoje abriu o 9.º Congresso Nacional de Suinicultura, a decorrer até quinta-feira no Cineteatro de Rio Maior (distrito de Santarém), salientou o "bom momento" que o setor está a viver e pediu uma "atenção redobrada" para que não seja posto em causa por uma peste que afetou o país durante 30 anos e que se encontra erradicada desde 1996.

"O país está indemne, não estou a lançar alarmismo, mas a chamar a atenção da população para uma conduta consciente", pois "toda a atenção e todo o cuidado é pouco", disse, referindo que, além de um plano para a redução da população de javalis, estão a ser preparadas medidas de controlo de viajantes provenientes de países afetados.

Capoulas Santos afirmou que se trata de um vírus "muito resiliente" que tem vindo a alastrar na Ásia e no leste europeu, tendo já atingido países como a Bélgica e a Itália, o que é facilitado pela "enorme movimentação de pessoas de todo mundo".

"Muitas trazem alimentos contaminados, o vírus pode vir com a roupa, nos sapatos", disse, sublinhando que, apesar de as explorações estarem confinadas e terem adotado todas as prevenções possíveis, há "sempre um risco enorme".

Tendo alastrado a partir das populações de javalis, este será um dos alvos das medidas em curso, estando a Direção Geral de Alimentação e Veterinária e o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) a trabalhar com as organizações de caçadores para reduzir os efetivos destes animais, afirmou.

"Por outro lado, vamos ver nos aeroportos e nos controlos de pessoas até onde poderemos ir para introduzir algumas medidas preventivas adicionais e alertando a população de que se abstenha de consumir todos os produtos que sejam trazidos", como enchidos ou alimentos frescos que venham das origens afetadas, e tenha "todo o cuidado com a forma como são destruídos", pois, muitas vezes, são dados aos animais ou lançados nos campos, onde estes os consomem, declarou.

Capoulas Santos lembrou que, há três anos e meio, quando iniciou funções, o setor atravessava, há um ano, uma "enorme crise", tendo revelado uma "enorme resiliência", a ponto de estar agora a viver um momento de "grandes oportunidades", nomeadamente com a possibilidade de exportar para a China, um dos países afetados pela PSA.

Segundo disse, o ministro chinês das Alfândegas, respondendo a um convite feito há seis meses, estará em Portugal nos próximos dias 26 e 27, altura em que espera assinar protocolos relativos a este setor, mas também ao dos frutícolas (uva de mesa, pera, maçã).

Capoulas Santos afirmou que a internacionalização tem sido uma "prioridade" para o seu Ministério, exemplificando com a abertura de 55 mercados para 208 produtos (159 de origem animal e 49 de origem vegetal), a que se juntou hoje a possibilidade de exportação de pombos-correio para o México.

Disse ainda que está a ser trabalhada a abertura de outros 59 mercados, para viabilização da exportação de 273 produtos (221 da área animal e 52 da área vegetal).

O 9.º Congresso Nacional de Suinicultura tem como temas centrais as potencialidades do mercado chinês para o setor e os desafios que se abrem com a produção de carne sintética, atualmente em fase de investigação.

Alterado regime de desenvolvimento local do PDR 2020 - diploma


Lisboa, 09 mai 2019 (Lusa) - O Governo alterou hoje o regime de desenvolvimento local do Programa de Desenvolvimento Rural, acrescentando critérios de seleção como o estatuto de agricultor familiar ou de jovem empresário rural e explorações com certificação em modo de produção biológico.

A portaria hoje publicada em Diário da República introduz a sexta alteração no diploma que em 2016 estabeleceu o regime de aplicação da implementação das estratégias da medida da área de desenvolvimento local (LEADER), assegurando a sua conformidade com orientações estratégicas de âmbito nacional.

Entre essas orientações contam-se a estratégia para a agricultura familiar, a estratégia para a agricultura biológica e a estratégia para o jovem empresário rural, "de forma a adequar as operações desta ação à realidade e necessidades da sua implementação", lê-se na portaria.

O objetivo, acrescenta o executivo no diploma sobre o Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020), é promover e valorizar estas novas realidades, em consonância com os objetivos de política nacional, entretanto definidos.

Em algumas operações, como a promoção de produtos de qualidade locais, a portaria inclui novas tipologias de despesas e taxas de apoio, um incentivo à adesão dos produtores à comercialização por circuitos curtos e um estímulo a um papel ativo na divulgação de produtos.

Relativamente à operação "Renovação de aldeias", o diploma pretende alargar o leque de tipologias de investimento, possibilitando o apoio a projetos relacionados com a preservação, conservação e valorização do património imaterial de natureza cultural e social dos territórios e não apenas do património edificado ou natural.

É ainda aumentada a taxa de cofinanciamento, incentivando a participação de entidades associativas locais com menores capacidades de investimento.


Quinta da Aveleda ganha o prémio de ‘Melhor Vinho do Ano’

Nuno Miguel Silva 11 Maio 2019, 19:35

O vinho tinto 'Quinta Vale D. Maria Quinta da Francisca', de 2016, produzido no Douro, foi o grande vencedor do 'Concurso Vinhos de Portugal' deste ano, como sempre organizado pela ViniPortugal.

A Quinta da Aveleda, com o 'Quinta Vale D. Maria Vinha da Francisca 2016' recebeu o galardão para o 'Melhor Vinho do Ano', um concurso da ViniPortugal, cujos resultados foram conhecidos ontem, dia 10 de maio, à noite, numa sessão realizada nas instalações do Terminal de Cruzeiros de Leixões.

Este vinho foi eleito no âmbito do 'Concurso Vinhos de Portugal', tendo os prémios deste ano distinguido vinhos das regiões da Bairrada, Douro, Dão, Alentejo e Península de Setúbal.

No entanto, foi no Douro que foi produzido 'O Melhor do Ano, o mencionado
'Quinta Vale D. Maria Vinha da Francisca (2016).

"Ano após ano temos sido capazes de fazer crescer o 'Concurso Vinhos de Portugal' nas suas diferentes dimensões, nomeadamente no número de vinhos inscritos, bem como a presença de mais especialistas internacionais, que acederam ao convite para vir conhecer a nossa realidade vitivinícola", sublinha Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal, fazendo um balanço positivo da edição 2019 do 'Concurso Vinhos de Portugal'.

Segundo este responsável, "mais do que uma competição, o 'Concurso Vinhos de Portugal' é uma semana dedicada à celebração da qualidade dos vinhos portugueses", além de ser "um momento importante para os agentes económicos envolvidos na fileira do vinho e um óptimo veículo de promoção dos vinhos de Portugal junto de especialistas internacionais, que vão regressar aos seus países de origem com muito mais conhecimento da qualidade dos nossos vinhos graças ao programa paralelo da iniciativa, que inclui jantares vínicos, visitas a produtores e 'masterclasses'".

Além deste vinho da Aveleda, foram também premiados o 'Alambre Moscatel de Setúbal 20 anos' como 'O Melhor do Ano Licoroso', produzido pela Península de Setúbal pela José Maria da Fonseca.

Já o prémio de 'O Melhor do Ano Varietal Tinto' foi atribuído ao 'Grande Rocim 2015', produzido no Alentejo, pela Rocim Agroindústria, Lda.

'O Melhor do Ano Varietal Branco' foi o 'Villa Oliveira Encruzado, de 2016, produzido no Dão pela empresa O Abrigo da Passarela, Lda.

Por sua vez, o prémio de 'O Melhor do Ano Vinho Tinto' foi para o referido 'Quinta Vale D. Maria Vinha da Francisca, de 2016, produzido pela Aveleda, no Douro.

'O Melhor do Ano Vinho Branco" foi entregue ao 'Quinta Pedra Escrita Reserva Bio', de 2017, produzido no Douro pela empresa Rui Roboredo Madeira, Vinhos, S.A..

Por fim, o 'O Melhor do Ano Espumante' foi ganho pelo 'Luiz Costa Pinot Noir & Chardonnay', de 2015, oriundo da Bairrada, da responsabilidade das Caves São João, Lda.

Após a avaliação de 1.382 vinhos por especialistas nacionais e internacionais, o júri atribuiu um total de 423 medalhas, das quais 29 na categoria 'Grande Ouro', 98 de 'Ouro' e 296 de 'Prata'.

"O Douro foi a região que recebeu mais medalhas 'Grande Ouro' do júri, recolhendo 11 medalhas, seguindo-se a região do Alentejo, com sete medalhas, e Dão, com quatro medalhas", revela um comunicado da ViniPortugal, acrescentando que a sessão contou com a presença do presidente do Conselho Directivo do Instituto da Vinha e do Vinho (IVV), Bernardo Gouvêa.

À semelhança das edições anteriores, o 'Concurso Vinhos de Portugal 2019' teve uma primeira fase, realizada no CNEMA, em Santarém, na qual cada vinho foi apreciado em prova cega por um júri composto por especialistas em vinhos, nacionais e internacionais, entre enólogos, jornalistas, 'sommeliers' e outras entidades ligadas ao vinho.

"Com base nas escolhas feitas na 1.ª fase do Concurso, o 'Grande Júri', composto por Dirceu Vianna Júnior (MW), do Reino Unido, Evan Goldstein (MS), dos EUA, Thomas Vartelaus, da Suíça, Bento Amaral e Luís Lopes, presidente do concurso, escolheu os grandes vencedores do 'Concurso Vinhos de Portugal', atribuindo as medalhas 'Grande Ouro' e os 'Melhores do Ano'", esclarece um comunicado da ViniPortugal.

De acordo com esse documento, "a participação no 'Concurso Vinhos de Portugal' constitui uma plataforma para a promoção internacional dos produtores portugueses", estando assegurado que "os vinhos distinguidos com as 'Medalhas Grande Ouro e Ouro' no 'Concurso Vinhos de Portugal' terão presença garantida em eventos internacionais de excelência a realizar em 2019".

O evento realizado ontem pela ViniPortugal serviu também reconhecer personalidades internacionais pelo contributo dado nas exportações dos vinhos portugueses.

Na 1.ª edição do prémio 'Personalidade do Ano', instituído em 2019 pela ViniPortugal, foram distinguidos Charles Metcalfe (Europa), Sebastião Vemba (África), Mark Squires (Américas) e Takenori Beppu (Ásia).

"A criação do Prémio 'Personalidade do Ano' resulta do reconhecimento do papel desempenhado por um conjunto alargado de profissionais, influenciadores e prescritores na promoção da marca 'Wines of Portugal' nos diferentes mercados internacionais onde atua", destaca o comunicado da ViniPortugal.

"O esforço de promoção dos 'Vinhos de Portugal' nos mercados internacionais é um trabalho coletivo que, para alcançar sucesso, necessita de ter continuidade do lado de quem nesses mercados fala, escreve, avalia, promove ou vende os nossos vinhos nos diferentes mercados. Felizmente que hoje são muito e bons aqueles que diariamente trabalham na promoção dos nossos vinhos e na valorização das nossas exportações. Reconhecendo a importância, a ViniPortugal decidiu, a partir de 2019, homenagear de forma simbólica uma figura em cada um dos quatro continentes/mercados onde a marca "Vinhos de Portugal" está presente: Américas, Africa, Ásia e Europa", afirma Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal.

Segundo o referido comunicado, este prémio contou com um conjunto de fases, "num processo colaborativo com os diferentes intervenientes na fileira do vinho nacional".

"Numa primeira fase, a ViniPortugal, em colaboração com as instituições sectoriais, como as CVR [Comissões Vitivinícolas Regionais] e as associações, desenvolveram o processo de selecção de personalidades elegíveis em cada um dos continentes abrangidos. A votação final esteve a cargo das empresas do sector vitivinícola através da plataforma digital da ViniPortugal", esclarece o referido comunicado.

A ViniPortugal é a associação interprofissional para a promoção internacional dos vinhos de Portugal e tem como missão promover a imagem de Portugal enquanto produtor de vinhos por excelência, valorizando a marca "Vinhos de Portugal/Wines of Portugal" e contribuindo para um crescimento sustentado do volume e do preço médio dos vinhos portugueses.

São associados-fundadores da ViniPortugal oito associações profissionais: ACIBEV, ANCEVE e AND (representação do comércio), CAP, FENADEGAS, FENAVI e FEVIPOR (em representação da produção) e ANDOVI (representação de regiões demarcadas).


sábado, 11 de maio de 2019

Governo deve 15 milhões ao SIRESP e põe rede em causa


Empresa espera há um ano por 15 milhões de euros e já alertou várias vezes para as consequências da falta de pagamento.


O SIRESP ameaça cortar as comunicações na época dos incêndios, desligando a ligação satélite, se o Estado não pagar a dívida acumulada de 15 milhões de euros.

A empresa espera há um ano pelo pagamento, sendo que o dinheiro terá sido aplicado em investimentos pedidos pelo Governo em 2018.

A notícia é avançada esta sexta-feira pelo Jornal de Notícias, que revela ainda que o não pagamento da dívida pode levar à insolvência da empresa.

Segundo o mesmo jornal, a empresa avisou o Governo mais do que uma vez para as consequências da continuação da dívida e estabeleceu um prazo máximo para a regularização das contas: sendo que a data limite é esta sexta-feira.

Sublinhe-se que o Estado de alerta da Proteção Civil devido aos fogos começa na próxima quarta-feira. O perigo de incêndios rurais também subirá a partir de agora.

Nuno Banza vai ser o novo presidente do ICNF


11 DE MAIO DE 2019 - 12:31

O cargo de responsável do ICNF vai ser assumido por Nuno Banza, substituindo na posição Rogério Rodrigues - que garante, no entanto, não ter apresentado a demissão.

Nuno Banza, atual inspetor-geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, vai substituir Rogério Rodrigues na presidência do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), confirmou a TSF.

O Correio da Manhã adianta que Rogério Rodrigues se demitiu por razões pessoais, mas, questionado pela TSF, o ainda presidente do ICNF garante que não apresentou a demissão.

Rogério Rodrigues assegura que permanece em funções, numa altura em que se espera que o Governo nomeie uma nova equipa diretiva para o organismo.

"O ICNF tem uma nova lei orgânica, publicada no dia 29 de março deste ano. Prevê-se que, dentro de muito pouco tempo, sejam publicados os seus estatutos e, com isto, o Governo nomeará uma nova equipa para a constituição desse conselho diretivo", começou por explicar Rogério Rodrigues. A nova lei orgânica do ICNF prevê a descentralização de serviços e a sua distribuição por cinco áreas regionais: Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve.

"O que asseguro, em pleno, é que estamos em funções - não só eu, como todos os elementos do conselho diretivo -, e que não há rigorosamente nenhuma decisão", garantiu Rogério Rodrigues, em declarações à TSF.

Rogério Rodrigues garante que não se demitiu

O atual presidente do ICNF, que lidera a instituição há três anos, admite ter ciado "surpreendido" com a notícia da sua demissão. Rogério Rodrigues confessa, no entanto, que, ao longo do tempo em que tem estado à frente do organismo, já se deparou com muitas informações que não correspondem à realidade.

"No longo tempo em que me mantive em funções, verifiquei muitas notícias estranhas e que não eram verdade, portanto, esta é mais uma", atira Rogério Rodrigues.

O presidente do ICNF mostra-se surpreendido com a "estranha notícia" da sua demissão
A TSF contactou o Ministério do Ambiente e Transição Energética, que se escusou a fazer qualquer comentário ao caso, e o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, que afirmou desconhecer qualquer alteração.

Em 32 anos a humanidade engordou 6kg. Habitantes de meios rurais foram os que mais engordaram

9/5/2019, 23:04

Em 1985, os habitantes de meios rurais tinham menos peso do que os citadinos. Com o tempo, a tendência inverteu-se. Um estudo mostra que as zonas com maior acesso a fast-food não são as mais obesas.

Em 32 anos, a humanidade engordou em média 6 quilogramas e foram os habitantes das zonas rurais os que ganharam mais peso, conclui um estudo publicado na revista Nature, que se baseou na análise do IMC de 112 milhões de adultos, em mais de 200 países e territórios de todo o mundo.

"O índice de massa corporal (IMC) tem aumentado significativamente na maioria dos países, em paralelo com um crescimento da população que vive em cidades", começa por referir o estudo realizado entre 1985 e 2017.

Segundo os dados revelados, e ao contrário do que seria de esperar, não são as pessoas que vivem em meios urbanos quem mais engordou nas últimas três décadas. Os cientistas desmentem assim a ideia de que as populações citadinas são as que têm maior propensão para a obesidade devido ao fácil acesso a fast-food (comida de plástico).

O estudo mostrou que são os habitantes das zonas rurais, mais especificamente as mulheres, que pesam mais do que quem mora na cidade. Tal é justificado por haver melhores condições económicas nos meios rurais. Já as populações urbanas têm maior acesso a alimentos saudáveis e estão mais despertas para a prática do exercício físico.

"De 1985 a 2017, a proporção da população mundial que vive em áreas urbanas cresceu de 41% para 55%", refere o estudo. Neste período, o IMC médio das mulheres aumentou de 22,6 kg/m2 para 24,7 kg/m2. Nos homens, aumentou de 22,2 kg/m2 para 24,4 kg/m2. Em ambos os sexos, o IMC médio era superior ao dos habitantes de zonas rurais.

Com o tempo, a diferença diminuiu e, em 2017, as mulheres que habitavam em zonas rurais já tinham um IMC médio superior ao dos habitantes das cidades. Esta inversão foi concretamente verificada em países como Arménia, Chile, Jamaica, Jordânia, Malásia, Taiwan e Turquia.

Quando os cientistas deram início à análise, em 1985, os habitantes de zonas rurais tinham menos peso. "Estas pessoas gastavam mais energia pois praticavam atividades como agricultura, atividades domésticas e recolha de água e madeira", diz o estudo. Com o tempo, a agricultura tornou-se cada vez mais mecanizada, o que permitiu diminuir a energia humana despendida. Os salários também aumentaram, em países desenvolvidos, e foram desenvolvidas mais estradas e outras infraestruturas. Todos estes fatores contribuíram para o aumento do peso das populações rurais. Os peritos falam em "urbanização da zona rural".

Em 2017, Suécia, República Checa, Irlanda, Austrália, Áustria e Estados Unidos da América registaram o IMC médio mais alto em zonas rurais. "Há uma necessidade urgente para integrar a nutrição nas zonas rurais", conclui o estudo, que salienta também a necessidade de garantir o acesso de comida saudável a habitantes de zonas rurais pobres.

Nova Zelândia apresenta projeto de lei para se tornar neutra em carbono até 2050

Sydney, Austrália, 08 mai 2019 (Lusa) - O Governo da Nova Zelândia apresentou hoje um projeto de luta contra as alterações climáticas, para tornar o país neutro em carbono até 2050, mas que exclui parcialmente o setor agrícola vital para o país.

08 Maio 2019 — 07:10

"O Governo toma hoje medidas históricas sobre as alterações climáticas, o maior desafio que a comunidade internacional e a Nova Zelândia enfrentam", declarou a primeira-ministra, Jacinda Ardern.

Na apresentação da legislação, a líder trabalhista sublinhou que ignorar a questão seria "uma negligência" e "um fardo" para as gerações futuras.

Este proposta vai permitir à Nova Zelândia contribuir para o objetivo planetário médio de manter o aquecimento climático abaixo dos 1,5 graus celsius em relação aos níveis anteriores ao período da revolução industrial.

As medidas incluem metas diferentes para o metano proveniente da criação de gado, e para todas as outras emissões de gases com efeito de estufa, causadas por transportes, indústrias e geração de eletricidade.

"A agricultura é muito importante para a Nova Zelândia, mas também deve ser parte da solução", defendeu Ardern, apesar de a legislação não explicar claramente como se pode atingir a neutralidade carbónica até 2050, o que desencadeou as críticas dos ecologistas.

O metano gerado pela criação de gado representa cerca de um terço das emissões de gases com efeito de estufa no país, onde a agricultura é uma atividade fundamental para a economia neozelandesa, sobretudo para as exportações.

O documento, agora publicado, prevê a criação de uma Comissão das Alterações Climáticas para ajudar a Nova Zelândia a atingir este objetivo, através da elaboração de "orçamentos de emissões" quinquenais.

O projeto da primeira-ministra de centro-esquerda vem concretizar uma promessa de campanha do Governo, eleito há 18 meses. O Executivo já prometeu plantar mil milhões de árvores em dez anos e garantir que a rede elétrica funcione inteiramente com energia renovável até 2035.

A proposta de lei, que deve ser votada pelo Parlamento até final do ano, prevê uma redução de 10% na produção de metano até 2024.

O ministro para as Alterações Climáticas neozelandês, James Shaw, afirmou que o Governo "teve em conta os dados científicos" e as preocupações dos industriais para determinar "um objetivo específico para o metano" agro-pecuário.

A federação dos agricultores criticou já a proposta. "Sejamos claros, a única forma de atingir os objetivos propostos é reduzir a produção. Não existem tecnologias mágicas", declarou o vice-presidente Andrew Hoggard.

"Neste momento, não temos qualquer ideia sobre como atingir as reduções propostas sem abater um número significativo de cabeças de gado", sublinhou.

O Governo de Ardern declarou que a legislação é "para ser cumprida", mas a Greenpeace Nova Zelândia afirmou já que o documento não especifica como alcançar os objetivos, o que torna a "legislação inoperacional"

"Estamos perante uma legislação ambiciosa à qual foram arrancados os dentes", disse o diretor geral da organização não-governal de defesa do ambiente. "Ladra, mas não morde".

ONU propõe seis soluções para acabar com a Fome


07 DE MAIO DE 2019 - 17:19

O Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura está preocupada com o impacto que os alimentos andam a causar na nossa saúde e na do planeta. Como tal, esta semana apresentou seis propostas que visam otimizar a agricultura mundial.


"A inovação agrícola pode desempenhar um papel fundamental na criação de um mundo sem fome." A mensagem foi transmitida pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) aos participantes da 'Seeds&Chips Summit', em Milão, Itália.

"A inovação agrícola é um elemento-chave que pode transformar radicalmente os sistemas alimentares, proporcionando oportunidades de negócios relacionados com a agricultura, empregos para os jovens e mulheres rurais e promover o crescimento da economia nacional" , afirma a diretora-geral adjunta da FAO, a cabo-verdiana Maria Helena Semedo.

A responsável da FAO destacou também a necessidade de adotar sistemas agrícolas mais sustentáveis, alterando a forma de cultivar, partilhar, preparar e consumir os alimentos. A este respeito, pediu aos governos a adoção de normas e padrões que promovam os alimentos saudáveis e nutritivos.

"O mundo precisa de um pacto global contra a obesidade que leve em conta o local e a alimentação tradicional. Adotar padrões globais para uma dieta saudável e diminuir a proliferação de dietas pobres que invadiu os nossos estilos de vida", afirmou.

"Já percorremos um longo caminho. Mas, em certo sentido, o nosso progresso parece ser a nossa desgraça. Aprendemos a cultivar alimentos, mas a abundância do que está nas nossas mesas mata-nos lentamente. As dietas pouco saudáveis são uma das principais causas de doença, invalidez e morte no mundo", acrescentou.

Maria Helena Semedo elogiou o papel da agricultura familiar que, embora precária, muitas vezes pobre em alimentos, produz mais de 80% dos alimentos do mundo e cuida de três quartos dos recursos naturais do planeta. A FAO lançou a Década da Agricultura Familiar da ONU no final de maio.

Soluções para acabar com a fome

Durante esta quinta edição da 'Seeds&Chips Summit' , que reúne mais de 350 empresas e organizações, a FAO apresentará uma série de soluções inovadoras para a agricultura que tem desenvolvido e implementado com sucesso em diferentes regiões.

Uma aplicação móvel que ajuda os agricultores a identificar, monitorar e gerenciar a lagarta, uma praga devastadora que se alimenta das culturas. A aplicação, que é atualmente utilizada por agricultores na África Subsaariana e partes da Ásia, não precisa de internet ou rede móvel e 'fala' 14 línguas.

O recurso a insetos estéreis

A tecnologia nuclear que impede a reprodução de pragas de insetos foi utilizada pela primeira vez para erradicar uma invasão de mosca da fruta, na República Dominicana, evitando potenciais perdas de alimentos significativas. A organização das Nações Unidas e parceiros estão a considerar expandir o uso contra outras pragas, e mosquitos que transmitem doenças.

Tecnologia 'blockchain' utilizada na cadeia de abastecimento de café

O 'blockchain' liga todos os intervenientes na cadeia de distribuição de café, do agricultor ao consumidor, garantindo total transparência e melhorar a justiça na cadeia de valor. Na Etiópia, por exemplo, cerca de 400 pequenos agricultores participam no programa FairChain programa. Ao aplicar a tecnologia 'blockchain', 45% do valor de cada taça de café FairChain permanece na Etiópia, cerca de quatro vezes mais do que se as multinacionais cuidarem da distribuição.

Hidroponia de baixa tecnologia

Esta tecnologia permite o cultivo de plantas em ambientes áridos. Esta técnica utiliza 90% menos de água e 75% menos espaço. Pastores vulneráveis e cooperativas na Cisjordânia e Gaza usam hidroponia para o cultivo de forragens, misturada com suplementos de concentrados secos reduz o custo da alimentação dos animais em cerca de 30%.

Outra das propostas tem a ver com os drones,que contribuem para cortar produção, avaliar danos causados por catástrofes naturais, deteção de pesca ilegal e apoio à conservação da vida selvagem.

Moda Azul: o aproveitamento da pele de peixes e algas para a confeção de roupas e acessórios, que seriam descartadas como lixo ou vendidos. A iniciativa está a gerar emprego nas comunidades de algumas das áreas mais pobres do Quénia.

Crédito Agrícola premeia empreendedorismo e inovação


A missão deste prémio é promover o que de melhor se faz no setor agrícola, agroalimentar e florestal. As candidaturas para a edição deste ano estão abertas.

Crédito Agrícola premeia empreendedorismo e inovação

Uma rápida análise ao setor agrícola, agroalimentar e florestal permite concluir que são atividades com uma grande relevância económica e social, dado o seu importante contributo para o PIB, para o emprego e para a fixação de população em todo o território nacional.

Se procedermos a uma análise da cadeia alimentar, da produção primária à comercialização, ficará surpreendido quem, nos últimos anos, não acompanhou o investimento, o desenvolvimento, a inovação e a internacionalização destes setores. No ano passado (2018), as exportações da indústria alimentar e das bebidas valeram 5.016 milhões de euros, mais 151 milhões de euros do que no ano anterior. Trata-se do valor mais alto de sempre. Em 2018, as vendas do setor alimentar e das bebidas para o estrangeiro representaram 8,66% das exportações portuguesas. Espanha foi o país que se voltou a destacar, representando cerca de 25% das vendas da indústria para o exterior. O mercado francês valeu cerca de 9% e o brasileiro 6%. No que respeita às categorias de produtos, continuam a destacar-se o azeite, o leite e produtos lácteos e o vinho.

Por seu lado, em 2017, a fileira da floresta representou 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e 10% das exportações de bens da economia nacional, sendo responsável por 70 mil postos de trabalho diretos. Do ponto de vista de transações para o mercado internacional de produtos florestais e de base florestal, os mais importantes são o papel e cartão, a pasta de papel, a cortiça, a madeira e produtos de resina e mobiliário.

A melhoria da atividade no setor agrícola, agroalimentar e florestal deve-se ao grande esforço que a iniciativa privada está a fazer, reforçando a sua organização e desenhando diferentes estratégias, com um particular destaque para o da investigação e da internacionalização. É importante para o país a introdução de inovação, diferenciação e reforçar, neste setor, a internacionalização do conhecimento, de tecnologias e de serviços.

Apoiar o setor produtivo
O Crédito Agrícola é uma das entidades que continuam firmes na sua intenção de ser um elemento ativo na valorização e promoção da inovação e da cooperação no setor agrícola, identificando, divulgando e premiando a inovação nos setores da agricultura, agroalimentar e da floresta. Estes são os objetivos principais do Prémio Empreendedorismo e Inovação, que o Crédito Agrícola promove pelo sexto ano consecutivo.

Com o propósito de promover a cultura de empreendedorismo e inovação, e premiar quem investe em projetos para a agricultura, a agroindústria e a floresta, o Prémio do Crédito Agrícola inclui, nesta 6ª edição, três categorias (Produção, Transformação e Comercialização; Desenvolvimento Rural; Jovem Empresário Rural) e duas distinções (Inovação em Parceria: Grupos Operacionais; Projeto de Elevado Potencial promovido por Associado Crédito Agrícola).

A edição deste ano teve a sua apresentação no passado dia 27 de abril, na Ovibeja. As inscrições no Prémio estão disponíveis até às 18h00 do próximo dia 26 de julho de 2019. São cinco prémios de 5 mil euros cada um. Pode fazer aqui a sua inscrição.

Estes prémios contam com a colaboração da Inovisa – Associação para a Inovação e o Desenvolvimento Empresarial, do Ministério da Agricultura e com a Rede Rural Nacional e contam com um júri altamente qualificado e representativo do setor.

Candidate-se e seja um dos premiados. Na edição de 2018, houve 12 finalistas e estes foram os vencedores.

Incêndios: Ministro da Agricultura defende sanções aos municípios sem plano de prevenção

Lisboa, 05 mai 2019 (Lusa) - O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, defende a "aplicação de sanções" aos municípios que não possuam um Plano Municipal de Defesa da Floresta contra incêndios atualizado.

Lusa
05 Maio 2019 — 10:10

Numa entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, considera "incompreensível" que ainda existam 28 câmaras com planos desatualizados.

"Custa-me a admitir que haja um município onde exista risco de incêndio, e onde a legislação obriga a existência desse plano, e que, nalguns casos, reiteradamente não tem", critica Capoulas Santos na entrevista que, será transmitida pela Antena 1 ao início da tarde.

"Existe um quadro sancionatório que, na minha opinião, deveria ser aplicado", defende o responsável, ressalvando que essa aplicação não cabe ao Ministério da Agricultura.

Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Endereço de e-mail

SUBSCREVER
De acordo com Capoulas Santos, as sanções têm como consequência a redução de financiamento público aos municípios.

"Até aqui tem havido uma atitude persuasiva e não sancionatória, mas, na minha opinião, é chegado o momento de as sanções serem aplicadas", defende.

Na entrevista, o ministro fala ainda na "grande dificuldade" - do próprio Ministério, mas também dos privados - em encontrar operadores suficientes que realizassem a limpeza das zonas rurais.

"Nestas circunstâncias, tivemos de identificar prioridades de freguesias de maior risco", aponta.

Questionado sobre se existe uma situação de seca no país, o ministro comenta: "Estamos preocupados, estamos a fazer o levantamento da situação, temos medidas em execução, mas falar de seca é manifestamente exagerado".

Capoulas Santos diz que "todos os agricultores agradeceram a chuva que caiu em abril, mas não foi suficiente para recarregar as barragens e os lençóis freáticos".

No entanto, segundo o responsável do Governo, esta chuva "mitigou muito os efeitos de seca".

"Não há, neste momento, nenhum indicador de qualquer quebra de produção em qualquer atividade agrícola", devido à falta de precipitação, afirma.

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Greve na Central de Cervejas. Sem acordo, “vai começar a faltar a cervejinha no mercado”

06.05.2019 às 13h16
 
ANA BAIÃO

A greve iniciada esta segunda-feira está a registar uma adesão de 100%, avança fonte sindical. Os grevistas reclamam aumentos salariais "dignos e justos e progressão na carreira"

Aumentos salariais "dignos e justos" e progressão na carreira estão na base da greve iniciada esta segunda-feira pelos trabalhadores da Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) e que está a registar uma adesão de 100%, segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB). A empresa já garantiu estar aberta ao diálogo.

Ao longo de toda a semana e em três períodos distintos de duas horas - das 00h às 02h, das 05h às 07h e das 08h30 às 10h30 - os trabalhadores da SCC vão parar, anuncia Rui Matias do SINTAB que avança mesmo que "se até às 10h30 de terça-feira não houver nenhuma tentativa de negociação por parte da empresa, os trabalhadores vão também deixar de fazer trabalho suplementar durante todo o ano, até que a empresa os chame novamente para fazer uma negociação séria".

À Lusa, Nuno Pinto de Magalhães, diretor de Comunicação e Relações Institucionais da Sociedade Central de Cervejas e Bebidas, garantiu que "a empresa está aberta ao diálogo", mas que face à greve agora iniciada, as negociações do Acordo de Empresa (AE) "estão pendentes". "A greve é um direito dos colaboradores, que respeitamos", referiu Nuno Pinto de Magalhães, esclarecendo que o protesto "tem um potencial máximo de aplicabilidade a cerca de 300 colaboradores da unidade abrangidos pelo AE, que representam cerca de 50%" do total.

A administração da SCC recordou que nos últimos três anos o acordo alcançado em termos salariais "foi sempre acima do valor da inflação verificada", tendo ascendido em 2016 a 2% de aumento, num mínimo de 20 euros, a uma atualização de 30 euros em 2017 e a uma subida de 2%, num mínimo de 20 euros, no ano passado, acrescido de um prémio individual de 1000 euros para todos os colaboradores abrangidos pelo AE".

O SINTAB espera da empresa uma "negociação séria" e recorda que os trabalhadores da SCC, dona da cerveja Sagres, "fazem muito trabalho suplementar" aos sábados, domingos e feriados, Rui Matias avisa que, se não for possível chegar a um acordo, num prazo de dois meses começará a faltar cerveja no mercado.

"Afigura-se aqui uma situação de impasse tremendo e vai começar a faltar a cervejinha no mercado. Eles podem ter muito 'stock' por agora, mas em dois meses será muito difícil responder às solicitações do mercado, até porque estamos a caminhar para o verão, que é o período de maior consumo de cerveja", sustentou.

De acordo com o dirigente do SINTAB, neste primeiro dia de greve "a adesão está a ser de 100%, com paragem total da fábrica", mantendo-se os trabalhadores concentrados frente às instalações da empresa, em Vialonga, durante os períodos de paralisação.
Para as 09h de quinta-feira está agendado um plenário de trabalhadores que contará com a presença do secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos.

Os trabalhadores da Central de Cervejas reclamam "aumentos salariais dignos e justos", que diminuam "a desigualdade salarial", exigindo uma atualização "na ordem de 4%", num mínimo de 40 euros, e de 1% no subsídio de turno. Segundo destaca Rui Matias, os trabalhadores pretendem ainda uma revisão das avaliações, das promoções e das carreiras profissionais, já que sentem "um desagrado muito grande" a este nível: "O desenvolvimento profissional está completamente estagnado. Há cerca de 13 anos que o modelo de evolução profissional contemplou menos de 10% dos trabalhadores, num total de cerca de 350, ou seja, estamos a falar de 20 e poucos trabalhadores que tiveram algum desenvolvimento profissional neste período", afirmou.

O SINTAB explica que, "após três rondas negociais com a administração da empresa, os trabalhadores verificaram que as propostas apresentadas ficam muito aquém das suas reivindicações", o que os levou a "prosseguir com a luta em forma de demonstração de descontentamento e para levar a empresa a apresentar uma proposta mais realista, onde se verifique uma justa distribuição da riqueza".

quinta-feira, 2 de maio de 2019

PepsiCo processa agricultores por plantarem variedade de batatas das Lay's sem autorização


Multinacional norte-americana acusada de perseguição na Índia por processo contra agricultores.

A PepsiCo processou nove agricultores indianos do estado de Gujarat que terão plantado e vendido a variedade de batata FC-5, em relação à qual a empresa diz ter "direitos exclusivos" e que usa nas suas batatas fritas Lay's.

Os processos foram interpostos pela sucursal indiana da multinacional norte-americana, estando previsto para ser julgado esta sexta-feira. A PepsiCo alega que os agricultores em causa não tiveram autorização para plantar esta variedade de batata -- os que têm autorização recebem as sementes e depois vendem em exclusivo as batatas para a multinacional.

Segundo o site India Today, cerca de 190 ativistas escreveram uma carta ao Ministério da Agricultura indiano a pedir ajuda financeira e proteção dos direitos dos agricultores, considerando "falsas" as alegações contra a PepsiCo.

Alegam que os agricultores têm direito a plantar aquela variedade de batata ao abrigo da Lei de Proteção de Variedade de Plantas e Direitos dos Agricultores de 2001. "Os agricultores estão dentro do direito de produzir e vender variedades protegidas de sementes e a PepsiCo não pode reivindicar a sua propriedade intelectual diretamente", segundo uma das ativistas citadas pelo site.

"É uma questão da soberania das sementes, da soberania alimentar e da soberania do país", disse Kapil Shah, outro ativista que está a defender os agricultores. "Está a espalhar o pânico entre os agricultores", citado pelo The Guardian.

A multinacional norte-americana pede uma indemnização de cerca de 130 mil euros a cada um dos quatro agricultores processos num tribunal de Ahmedabad e 2500 euros a cada um dos restantes cinco, em Modasa, segundo o The Times of India .

"Crise do clima" vence-se com transição e eficiência energéticas - especialistas


Beja, 26 abr 2019 (Lusa) - A substituição de combustíveis fósseis por energias renováveis e o uso de equipamentos que consomem menos energia são as principais respostas para combater as alterações climáticas e "vencer a crise do clima", defenderam hoje dois especialistas.

Filipe Duarte Santos, presidente do Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável, e Ricardo Campos, da organização "The Climate Reality Project", criada em 2016 pelo ativista ecológico, 45.º vice-presidente dos Estados Unidos da América e Prémio Nobel da Paz em 2007 Al Gore, falavam à agência Lusa à margem do simpósio "Alterações Climáticas e Agricultura", que decorre desde hoje e até sábado, em Beja, integrado no programa da feira agropecuária Ovibeja.

"A principal resposta [para combater as alterações climáticas] é a transição energética", dos combustíveis fosseis, como o gás, o carvão e o petróleo, para as energias renováveis, "mas também uma maior preocupação com a eficiência energética", ou seja, com o uso de equipamentos que consomem menos energia, disse Filipe Duarte Santos, também professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Segundo Ricardo Campos, "para vencer a crise climática, em primeiro lugar, é preciso tomar uma grande consciência da situação a que chegámos, acelerar a transição energética, libertando-nos dos combustíveis fósseis, que são a energia do passado e têm de ficar no passado, e melhorar a eficiência energética".


"Estamos perante a paridade na rede, isto é, o ponto em que as energias renováveis começam a ficar mais baratas do que as produzidas através dos combustíveis fósseis" e "com a aceleração da transição energética e com a maior penetração das energias renováveis vamos reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e limitar as alterações climáticas e vencer a crise climática", frisou Ricardo Campos.

Por isso, frisou Filipe Duarte Santos, "temos um clima com fenómenos meteorológicos extremos mais frequentes e mais intensos, como ondas de calor, secas, períodos de precipitação muito intensa e em intervalos de tempo curtos", os quais têm como "consequências" desastres naturais e fogos florestais.

"Temos que nos adaptar a um clima mais quente e mais seco", sublinhou Filipe Duarte Santos, referindo que tal "é possível" com "medidas de adaptação".

Para o setor da agricultura, o da Ovibeja, Filipe Duarte Santos sugeriu várias soluções e medidas de adaptação, como aumentar a disponibilidade de água, nomeadamente através da reutilização de águas residuais urbanas e dessalinização, melhorar a gestão da água disponível e escolher e adaptar as culturas a um clima mais seco e quente.

Segundo os dois especialistas, há "uma série" de "pequenas grandes coisas" que os cidadãos "podem fazer" para contribuírem para a transição e a eficiência energéticas e, desta forma, ajudarem a "vencer a crise do clima".

Os especialistas destacaram como "contributos importantes" optar por comprar veículos automóveis elétricos, viajar menos em viatura própria e mais em transportes públicos, produzir a energia que se consome através de microgeração, poupar energia e fazer mais reciclagem.

No entanto, frisou Ricardo Campos, "aquela que, muito provavelmente, será a grande medida é as pessoas tornarem-se um pouco ativistas para pressionar o poder político a acelerar as mudanças que são necessárias".

"Não podemos esperar até 2050 para tomar medidas, temos que acelerar as medidas hoje e, por isso, o ativismo é muito importante para usarmos a nossa voz e o nosso voto para pressionar o poder político a tomar as decisões que urgem tomar", sublinhou Ricardo Campos, referindo que combater as alterações climáticas e salvar o planeta "é a maior luta de todos os tempos, é a luta pela nossa sobrevivência".

PSD contra cortes nos fundos europeus para agricultura


Paulo Castro Rangel e José Manuel Fernandes defenderam hoje que "Portugal tem de apoiar a agricultura e o mundo rural, considerando tratar-se de uma área de intervenção estratégica para o desenvolvimento sustentável de um país que se quer moderno e inclusivo".

Paulo Castro Rangel e José Manuel Fernandes manifestaram-se este sábado contra cortes nos fundos europeus para a agricultura e o desenvolvimento rural, criticando "a postura de resignação do Governo", face à proposta que consideram "extremamente redutora", da Comissão Europeia para o próximo quadro financeiro.

Falando durante a Festa do Alvarinho e do Fumeiro, em Melgaço, os dois eurodeputados social-democratas, Paulo Castro Rangel e José Manuel Fernandes, defenderam hoje que "Portugal tem de apoiar a agricultura e o mundo rural, considerando tratar-se de uma área de intervenção estratégica para o desenvolvimento sustentável de um país que se quer moderno e inclusivo".

"É inaceitável compactuar com propostas de cortes ao nível da coesão e especialmente na agricultura e no desenvolvimento rural", afirmou Paulo Castro Rangel, lamentando que "o Governo socialista de António Costa aceite a proposta da Comissão Europeia para 2021-2027, uma vez que prejudica os países e os setores mais pobres".

José Manuel Fernandes especificou que "os cortes propostos pela Comissão Europeia são de 500 milhões de euros nas ajudas diretas aos agricultores e 1.200 milhões de euros nos fundos para o desenvolvimento rural", situação que considerou como sendo "inaceitável".

"Não percebemos a resignação de António Costa e até o apoio deste governo socialista à posição da Comissão", lamentou José Manuel Fernandes, coordenador do PPE na comissão dos orçamentos no Parlamento Europeu. 

José Manuel Fernandes enalteceu que "em boa hora os deputados do PSD no Parlamento Europeu opuseram-se com êxito aos cortes da Comissão, tendo proposto e aprovado um montante de 4.715 milhões de euros para as ajudas diretas aos agricultores e mais de 4.660 milhões de euros para o desenvolvimento rural".

"O apoio à agricultura e ao desenvolvimento rural, a defesa dos produtos locais são todos aspetos essenciais para o crescimento económico e para a coesão territorial, económica e social", afirmou ainda José Manuel Fernandes, apontando a produção de vinho como "um excelente exemplo na boa utilização dos fundos europeus". 

Nesse sentido, o eurodeputado e candidato do PSD ao Parlamento Europeu sublinhou os números positivos do vinho verde cujas exportações aumentaram as exportações, gerando receitas de cerca de 64 milhões de euros, pois a produção de vinho verde tem crescido em qualidade e quantidade, há mais de 70 milhões de litros de vinho produzidos por ano e as exportações superam já metade do produto vendido.

"São dados que reforçam a necessidade de olharmos para a produção de vinho de uma forma integrada, pois a investigação e inovação, a produção e a internacionalização são elementos fundamentais e os fundos europeus para cada uma destas áreas, devem ser utilizados de forma articulada e complementar", salientou ainda José Manuel Fernandes.

Portugal pode colmatar “necessidades” da investigação científica em Angola


24/4/2019, 17:55

O secretário de Estado do Ambiente de Angola afirmou que o país tem grandes dificuldades no campo da investigação científica e quer uma tutela com Portugal para formação e aumento de capacidades.

Partilhe

Joaquim Lourenço Manuel anunciou parceria durante a Conferência Internacional do Parque, no Porto

O secretário de Estado do Ambiente de Angola afirmou esta quarta-feira que, apesar das "grandes" dificuldades em desenvolver a investigação científica no país, algumas "necessidades" podem vir a ser "suprimidas" através de parcerias com instituições portuguesas.

"O Ministério do Ambiente deu conta de que temos quatro grandes áreas para desenvolver; estamos a falar da área da diversidade, da adaptação às alterações climáticas, da fiscalização e da implementação de novas tecnologias. E, juntamente com a visão que temos da gestão sustentável desses recursos, demos conta que nos falta algo, que já começámos, mas que temos grandes dificuldades em implementar que é a investigação científica", apontou esta quarta-feira Joaquim Lourenço Manuel.

O secretário de Estado do Ambiente, que falava durante a Conferência Internacional do Parque, iniciativa que arrancou esta terça-feira e prossegue esta quarta-feira na Fundação de Serralves, no Porto, afirmou que a tutela tem como objetivo "suprimir as necessidades" relativas à investigação, e que por isso, juntamente com o Ministério do Ensino Superior de Angola, estão a criar "novas parcerias" nacionais e internacionais.

"A questão da investigação em Angola está a ter um outro paradigma, uma nova exigência", frisou, acrescentando que este novo contexto exige a "criação de capacidades" e a formação dos futuros investigadores.

Temos muito pouca oferta formativa, daí a nossa necessidade em ter parcerias com a Universidade do Porto para a formação de vários especialistas. Por outro lado, vemos também que as instituições portuguesas nos podem ajudar a desenvolver mais investigação, para a qual Angola ainda não tem capacidade", disse.

Segundo Joaquim Lourenço Manuel, um dos grandes focos do Governo de Luanda tem vindo a ser o desenvolvimento de uma "agricultura de conservação", prevendo juntamente com o Ministério da Agricultura de Angola criar "uma cultura de água doce" de modo a diminuir a pressão nas lagoas e no mar e incentivar a criação de "florestas energéticas" para diminuir a pressão sobre as florestas nativas.

"Necessitamos de um espectro muito amplo de investigação, com um grande objetivo, a gestão sustentável dos recursos da biodiversidade", realçou o secretário de Estado angolano, avançando que as sinergias com Portugal, um "parceiro confiável e antigo", podem ajudar nesse sentido.

Durante a sessão, Joaquim Lourenço Manuel revelou ainda que no decorrer deste ano vai ser estabelecida uma parceria com o Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO) da Universidade do Porto, que visa a construção de um laboratório científico no Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação (INBAC).

Gostaríamos de continuar com esta parceria entre países, o CIBIO-InBIO vai ser uma das primeiras instituições, mas não vai ser a última", concluiu.

O segundo dia da Conferência Internacional do Parque, uma iniciativa que visa trazer a debate os desafios relacionados com a conservação da biodiversidade da África Austral e o seu desenvolvimento sustentável, ficou também marcado pelo lançamento da Cátedra UNESCO Life on Land, que tem como objetivo a proteção ambiental e preservação de recursos em África.

Bruxelas lança programa de empréstimos destinado a jovens agricultores


A Comissão Europeia e o Banco Europeu de Investimento (BEI) lançaram hoje um programa de empréstimos para jovens agricultores europeus, com um orçamento global de mil milhões de euros e condições mais favoráveis do que as do mercado.
 Bruxelas lança programa de empréstimos destinado a jovens agricultores


  
Este pacote de mil milhões de euros, anunciado hoje pelo comissário europeu da Agricultura, Phil Hogan, e o vice-presidente do BEI, Andrew McDowell, pretende facilitar o acesso de jovens agricultores a empréstimos, colmatando uma lacuna identificada pelo executivo comunitário, segundo o qual, em 2017, 27% dos pedidos de empréstimos submetidos aos bancos por profissionais jovens foram rejeitados, comparativamente com apenas 9% entre os outros agricultores.

O programa, que será regido pelo princípio "primeiro a chegar, primeiro a ser servido" e não estabelecerá quotas ou limites para cada Estado-membro, prevê taxas de juro menores, períodos mais longos para iniciar o pagamento do empréstimo contraído (até cinco anos) e para reembolsar a totalidade do empréstimo (até 15 anos), assim como uma maior flexibilidade nas modalidades de pagamento.

Essa flexibilidade, determinada por cada banco consoante cada caso, tem como objetivo acautelar a volatilidade dos preços no setor agrícola, de modo a garantir que os agricultores continuam a pagar os empréstimos em períodos difíceis, como secas ou cheias, permitindo-lhes, por exemplo, adiar o pagamento de determinadas tranches por alguns meses.

"O acesso ao financiamento é crucial e, com demasiada frequência, também um obstáculo para os jovens que querem entrar na profissão. Uma vez que 11% dos agricultores europeus tem menos de 40 anos, apoiá-los é uma prioridade da Comissão Europeia e da Política Agrícola Comum pós-2020", afirmou o comissário europeu.

O programa, que poderá estar operacional já durante os meses de verão, será gerido ao nível dos Estados-membros pelos bancos daqueles países e empresas de crédito a atuar na Europa, responsáveis por estabelecer as condições dos empréstimos.

Bruxelas espera que os bancos nacionais envolvidos neste programa possam igualar a verba canalizada pelo BEI, elevando o orçamento global até aos dois mil milhões de euros, e dando prioridade aos jovens agricultores.

Este novo programa de empréstimos inclui-se numa iniciativa conjunta entre a Comissão Europeia e o BEI que visa juntar o apoio do Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural e os meios financeiros e conhecimentos especializados do BEI.

"Com esta iniciativa, o BEI está a olhar para o futuro deste setor e a fazer face a uma importante lacuna do mercado, a falta de acesso dos agricultores, especialmente das novas gerações, ao financiamento. Este programa de empréstimos também irá apoiar o crescimento e a competitividade no setor agrícola e na bioeconomia, ao preservar e criar empregos nas zonas rurais e costeiras", destacou McDowell, que é responsável pela área naquela instituição.