terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Processo do microchip vai ser alterado porque o sistema não identifica alguns animais

Animais
15.02.2011 - 07:45 Por Lusa
Votar | 0 votos 1 de 7 notícias em Sociedadeseguinte »
O sistema de identificação obrigatória de cães e gatos por microchip
vai ser alterado devido a falhas na base de dados que impedem a
identificação de animais com o dispositivo, nomeadamente quando
recolhidos em canis.
Para muitos profissionais profissionais, a base de dados que existe
não "dá uma realidade dos animais que têm chip" (Eric
Gaillard/Reuters)

A lei que obriga os donos a colocar o chip vigora há menos de três
anos e a Direcção-Geral de Veterinária (DGV) confirmou à Lusa ter
"conhecimento de algumas falhas neste processo" e que está "em análise
a mudança" da legislação.
Veterinários de canis municipais e privados garantiram à Lusa que
"aparecem frequentemente animais com 'chip' que não constam da base de
dados" oficial, o Sistema de Identificação de Canídeos e Felídeos
(SICAFE).
"É o mesmo que não terem chip, porque não conseguimos localizar o
dono", assumiu Manuel Godinho, veterinário no canil intermunicipal da
Terra Fria, em Vimioso.
Estes centros de recolha oficial de animais têm acesso ao SICAFE, mas
"o problema", para o veterinário, é que não conseguem "encontrar na
base de dados muitos dos que chegam com microchip".
Com o mesmo problema depara-se Jorge Santos, veterinário no canil
intermunicipal da Terra Quente, em Mirandela, indicando que também ali
"aparecem animais com chip que não estão na base de dados", nem na
oficial, nem no sistema do Sindicato dos Médicos Veterinários, o SIRA.
Para estes profissionais, a base de dados que existe não "dá uma
realidade dos animais que têm chip".
"É impossível porque a maior parte deles não está lá", frisou Manuel Godinho.
A mesma experiência ocorre na clínica de Duarte Lopes, em Bragança,
que partilha do que tem a defendido a Ordem e o Sindicato da classe:
"Deveriam ser os veterinários, que colocam o chip, a realizar o
processo de registo".
Actualmente, os profissionais só têm acesso ao SICAFE para leitura e
não para introduzir dados.
A DGV admitiu à Lusa, numa resposta escrita, que "a pretensão dos
médicos veterinários é válida" e adiantou que "a mudança pretendida
está em análise".
O organismo justificou que "a demora prende-se pela necessidade de
alteração do diploma legal que define o SICAFE, assim como das
implicações no sistema informático".
A DGV atribui as "falhas existentes neste processo aos donos e às
juntas de freguesia".
"Existem detentores com animais identificados que nunca se dirigem à
junta para proceder ao licenciamento, obrigatoriedade disposta por
lei, o que automaticamente inviabiliza a possibilidade de registo dos
animais no SICAFE", explicou.
Indicou ainda que a DGV "tem conhecimento desta situação por muitos
donos telefonarem a participar o desaparecimento do animal e, que,
quando questionados se já se dirigiram à sua junta, dizem não terem
ido por desconhecimento da obrigatoriedade do licenciamento ou por não
quererem mais encargos".
Por outro lado, "ainda existem juntas que não dispõem de capacidade
logística para proceder aos registos", nomeadamente uma ligação
Internet".
Segundo dados da DGV, encontram-se registados no SICAFE 380.905
animais, dos quais apenas 0,06 por cento são gatos e os restantes
cães.
http://www.publico.pt/Sociedade/processo-do-microchip-vai-ser-alterado-porque-o-sistema-nao-identifica-alguns-animais_1480324

Sem comentários:

Publicar um comentário