quarta-feira, 12 de junho de 2013

Acréscimo diz que empenho de Cavaco Silva em Política agrária é “discutível”

por Ana Rita Costa11 de Junho - 2013

A Acréscimo diz em comunicado que o empenho do Presidente da
República, Aníbal Cavaco Silva, em Política Agrária é "discutível". A
Associação teceu esta opinião depois do discurso do Presidente da
República, no âmbito das comemorações do 10 junho, que se focou na
agricultura.

A Associação de Promoção ao Investimento Florestal disse ainda, porém,
que Cavaco Silva foi um dos principais atores políticos no que
respeita à componente florestal. De acordo com a organização, nos
últimos 20 anos foram investidos 700 milhões de euros de apoios
públicos utilizados no financiamento à florestação de uma única
espécie, o eucalipto.

"Este valor poderia ter potenciado 350 mil novos hectares desta
espécie, contudo a área da mesma regrediu cerca de 400 mil hectares
neste período. A aplicação dos impostos pagos pelos contribuintes pode
ter acabado por potenciar a "indústria do fogo" em Portugal", refere o
comunicado.

A área de eucaliptal, a 5ª a nível mundial, terá aumentado mais de 400
mil hectares. 1,5 milhões de hectares foram abandonados em Portugal
(excluída a SAU). Esta área corresponde a 43% da área florestal total
e a 17% da área terrestre nacional.

A Acréscimo diz que o país sofre agora de uma "não-estratégia
florestal" e sublinha que o prejuízo anual decorrente dos incêndios
florestais, que só serão atenuados por mecanismos de defesa associados
à redução do risco do negócio florestal, é superior a 1000 milhões de
euros.

http://www.vidarural.pt/news.aspx?menuid=8&eid=7358&bl=1

Sem comentários:

Publicar um comentário