quinta-feira, 14 de junho de 2012

Arranque da barragem de Odelouca garante água por três anos e alivia agricultura

13.06.2012 - 13:29 Por Lusa
Votar | 0 votos 3 de 13 notícias em Local« anteriorseguinte »
A entrada em funcionamento da Barragem de Odelouca, Silves, a única
no Algarve cuja água é exclusivamente para consumo público, vai
garantir que não falte água na região até 2015 e que seja
disponibilizada mais água para a agricultura.

A barragem, cujo primeiro projecto tem quase 40 anos, começou a
fornecer água aos consumidores no início de Junho, uma data que
assinala um "marco histórico", disse à Lusa o administrador da Águas
do Algarve, responsável pela obra.


A maior barragem do Algarve vai permitir não só garantir reservas de
água para os próximos três anos, mesmo que não chova na região, como
acabar com as 'guerras' que existiam devido à partilha da água pela
agricultura e pelo consumo público.

"A partir do momento em que existe Odelouca, a água que aflui à
albufeira do Funcho será para a agricultura", afirma Artur Ribeiro,
lembrando que, até aqui, a barragem do Funcho fornecia água para
ambos, enquanto que a do Arade se destinava apenas à agricultura.

A barragem de Odelouca começou a ser construída em 2001, mas a obra
parou pouco depois, primeiro devido a uma queixa de organizações
ambientalistas em Bruxelas contra o Estado e, mais tarde, devido a um
contencioso entre este e a construtora.

A gestão da barragem, inicialmente a cargo do Instituto da Água
(Inag), foi entregue à Águas do Algarve em Dezembro de 2006 e as obras
recomeçaram em Fevereiro de 2007, ficando concluídas em finais de
2010.

"Neste momento, a Águas do Algarve pode dizer que tem o seu sistema
multimunicipal de abastecimento de água perfeitamente consolidado",
sublinha Artur Ribeiro, acrescentando que Odelouca tem mais água do
que o sistema Odeleite/Beliche em conjunto.

A barragem de Odelouca, que tem capacidade para armazenar 105 milhões
de metros cúbicos de água, estava no início de Junho, de acordo com
dados fornecidos à Lusa pela Águas do Algarve, a 94,3% da sua
capacidade máxima.

Artur Ribeiro lembra que o Algarve vive um período de seca e sublinha
os esforços que a empresa fez em 2004 e 2005, quando a região foi
atingida por uma situação de seca extrema, embora não tenha chegado a
faltar água para abastecer a população.

Exemplo desse esforço foi a construção de duas estações elevatórias
reversíveis, na zona central do Algarve, que permitem a passagem de
600 litros de água por segundo entre o sistema composto pelas três
barragens do barlavento (oeste) e o sistema Odeleite/Funcho (este).

No ano passado, o Algarve consumiu 65 milhões de metros cúbicos de
água, em 2010 gastou 67 milhões e, em 2009, 71 milhões.

http://www.publico.pt/Local/arranque-da-barragem-de-odelouca-garante-agua-por-tres-anos-e-alivia-agricultura-1550146

Sem comentários:

Publicar um comentário