sábado, 16 de junho de 2012

PE: Luís Paulo Alves alerta para situação difícil no leite e nos produtos lácteos

Intervindo no plenário do Parlamento Europeu em Estrasburgo, o
eurodeputado Luís Paulo Alves chamou a atenção para a situação crítica
da fileira do leite e dos produtos lácteos em muitos países e regiões
europeias, pela presença de excedentes e descidas de preços
preocupantes nos mercados, com impacto grave nos produtores,
decorrente de um aumento da produção leiteira que desequilibrou o
mercado.

Para o deputado Luís Paulo Alves, esta crise faz lembrar a que teve
início em 2007, "só que agora, os produtores, a par da descida dos
preços, enfrentam também aumentos consideráveis nos custos da sua
exploração derivados da escalada dos preços dos combustíveis, dos
alimentos e dos fertilizantes".


Na sua intervenção o eurodeputado disse que hoje se assiste à
colocação de produtos excedentários dos países mais produtivos "a
preço de saldo" nos mercados de outros Estados Membros, colocando uma
pressão adicional na descida do preço pago aos produtores nesses
países.

A título de exemplo, referiu um estudo das Uniões Agrárias que
demonstra que a mesma marca branca de leite UHT de uma multinacional
francesa é vendida na sua cadeia em França, num intervalo de preço
entre 88 a 98 cêntimos, enquanto na mesma cadeia na Galiza varia entre
os 48 e os 53 cêntimos. No seu entender este é apenas um exemplo do
que podem ser no futuro as consequências de um mercado sem quotas
leiteiras ou instrumentos que ajustem a oferta à procura, no pós 2015.

Há que reconhecer que estamos a enfrentar condições muito diferentes
do contexto que vivíamos quando a UE decidiu abolir os instrumentos de
regulação. Deste modo, de acordo com o eurodeputado, a prometida
"aterragem suave" para a eliminação das quotas, está longe de estar a
acontecer, o que exige soluções e empenhamento.

Interpelando o Comissário John Dalli, o deputado defendeu a
necessidade de se proceder a uma auditoria circunstanciada do impacto
territorial sobre os milhares de explorações agrícolas que produzem na
UE, e não apenas do ponto de vista macroeconómico, antes de se
proceder à eliminação dos mecanismos actuais.

Fonte: InfoEuropa

http://www.agroportal.pt/x/agronoticias/2012/06/16c.htm

Sem comentários:

Publicar um comentário