sexta-feira, 18 de maio de 2012

Políticas de Nova Geração para a Agricultura

OPINIÃO

José Martino


"Rui P. disse...

Boa tarde!

Percebo pouco de economia, mas como podemos considerar sustentável e
importante para a criação de riqueza no país uma actividade económica
que está altamente dependente de apoios/subsídios ao investimento e à
produção?

Se, no caso em concreto, existe um programa que suporta pelo menos 75%
dos custos de investimento, quem vai suportar estes custos no futuro
(aos quais ainda acrescem os subsídios à produção)? É certo que os
custos não são imputados directamente ao produtor mas, vindo o
dinheiro da UE, mais tarde ou mais cedo (directa ou indirectamente) o
país (todos nós) teremos de o pagar e com juros.


Não seria mais vantajoso apostar em projectos com investimentos e
custos de manutenção mais ajustados à nossa escala/capacidade?
Salvaguardando a criação de um plano de seguros que protegesse o
produtor dos riscos inerentes à actividade agrícola?

Obrigado pela oportunidade de expor estas dúvidas.

Cumprimentos,"

Comentários:

1 - Tenho todo o gosto em que exponha as suas ideias e as suas dúvidas
porque do debete ideológico estruturado nasce a "massa crítica",
corrente de opinião que consegue analisar e explicar os fatos e
números da agricultura portuguesa com argumentos que levam e obrigam a
uma política coerente para as agriculturas de Portugal.

2 - As agriculturas de Portugal estão dependentes de apoios/subsídios
à produção e à exploração porque estão integradas na União Europeia,
um grande bloco produtor, onde esta atividade existe e está
desenvolvida dentro dessa regra de jogo. O principal bloco competidor,
os EUA, também o fazem, embora de forma encapotada. Nos países
emergentes, Brasil, Rússia, India e China, bem como os países do 3.º
mundo, o embaratecimento do valor das produções agrícolas é feito
através do não cumprimento de regras de defesa do ambiente e da
ausência de direitos sociais dos trabalhadores, os quais Portugal
felizmente tem de cumprir.

3 - A Europa deveria exigir e implementar regras para que os produtos
agrícolas que os europeus consomem deveriam cumprir as mesmas regras
que exige aos seus agricultores. Infelizmente tal não acontece porque
a agricultura europeia é moeda de troca para as exportações de
produtos industriais, a Europa aceita a importação de produtos
agrícolas com dumping ambiental e social como contrapartida para poder
colocar nos mercados dos países dos outros continentes, os seus
produtos industriais.

4 - O que se verifica é que nos países desenvolvidos a agricultura tem
peso e está desenvolvida porque felizmente a alimentação da população
está dependente das produções agrícolas próprias.

5 - Por outro lado, quer na europa, quer em Portugal os agricultores
prestam um conjunto de serviços públicos que não são pagos pelo
mercado: manutenção da biodiversidade quer animal, quer vegetal,
paisagens tipicas das regiões com qualidade intrínsecas, as quais são
usufruidas pelos turistas que pagam alojamento e refeições, manutenção
da qualidade da água que abastece as populações (os solos cuidados
funcionam como filtros para que a água tenha alta qualidade) produção
de oxigénio, manutenção atividade económica e social no interior de
Portugal, etc.

6 - Os agricultores que prestam os serviços públicos pagam a fatura da
atividade que exercem, quer através de baixos rendimentos, quer
através de condições de vida infra humanas, habitações com condições
de insalubridade, trabalho de sol a sol, 365 dias por ano. Na minha
opinião, as ajudas ao rendimento deveriam ter em conta o serviço
efetivamente prestado pelo agricultor à sociedade, assim como as
necessidades de rendimento do agregado familiar para que a esta
tivessse efetivamente o mesmo nivel de rendimento económico e
financeiro de outra cujo chefe tivesse uma profissão que não fosse
agricultor. Os apoios ao rendimento são atribuidos por superfície de
cultura ou cabeça animal sem ter em conta os dois critérios que
elenquei: o serviço efetivo prestado pelo agricultor e as necessidades
do agregado familiar.

7 - Deveria ser implementada uma reforma estrutural que defendo:
incentivar que os agricultores produzam dentro da economia de escala
da atividade que desenvolvem (dimensão da exploração que baixa os
custos fixos. Exemplos, macierias, 15 a 20 ha; olival, 20 a 30 ha,
produção de leite de vaca, efetivo de produtivo de100 a 120 vacas,
etc.) tendo como objetivo que 50% das produções portuguesas advenham
destas explorações mais competitivas.

8 - Na realidade, o que custa ao cidadão é quando que são atribuidas
ajudas públicas a explorações agrícolas que no médio longo prazo
deixam de ser competitivas, por não terem empresários competentes e/ou
dimensão próxima da economia de escala, as quais encerram sem serem
integradas noutras que tirem partido dos invesitmentos nos seus
aparelhos produtivos. Este fato é resultado da política seguida desde
a integração europeia em 1986, de atribuição de dinheiro públicos a
todos sem critérios de interesse público, competência dos
agricultores, dimensão da atividade/exploração, atividades, etc.

9 - Defendo políticas públicas de nova geração como por exemplo, bolsa
de terras, crédito tipo habitação para a agricultura, provedor do
agricultor, seguros agrícolas de rendimento, tramitação pelo
ministério da agricultura dos processos burocráticos dentro dos prazos
legais, etc. (ver as propostas que estão explicadas neste blog
http://josemartino.blogspot.p)


http://josemartino.blogspot.pt/2012/05/politicas-de-nova-geracao-para.html

Sem comentários:

Publicar um comentário