domingo, 29 de julho de 2012

Ministério da Agricultura admite menos fiscalização nos produtos alimentares



Publicado hoje às 12:59
O Ministério da Agricultura admite que há menos fiscalização dos produtos alimentares e reconhece que a razão tem a ver com uma racionalização de recursos.

Enviar por email   Link

Em nome do Ministério da Agricultura, o diretor-geral de Alimentação e Veterinária garante que não está em causa a saúde pública, mas reconhece que a fiscalização diminuiu. A Jornalista Sofia Morais conversou com Nuno Vieira Brito.

O Ministério da Agricultura garante que não está em causa a saúde pública.
O Jornal de Notícias avança, este domingo, que a carne, o peixe, os ovos e o mel não estão a ser fiscalizados e que desde Março não foram recolhidas amostras para analisar estes produtos.
Em declarações à TSF, Nuno Vieira Brito admite que a otimização de recursos vai afetar a recolha de amostras. O ano passado foram recolhidas 7800 amostras de controlo de qualidade dos alimentos.
O diretor-geral de Alimentação e Veterinária sublinha que o plano traçado para este ano não vai ser cumprido a 100 por cento.

«Obviamente que se tivéssemos mais dinheiro poderíamos fazer muito mais, a questão não se coloca nesse sentido, mas sim qual é a utilidade deste plano e aquilo que estamos a fazer do ponto de vista de análises e a focalização em alimentos de maior risco. Estamos a falar em racionalização e em pensar melhor a recolha e as análises que estamos a fazer», explica.
O diretor-geral da Alimentação e Veterinária diz que a prioridade no controlo vai ser dada aos alimentos em que mais vezes são identificadas contaminações, por exemplo na carne de bovino, aves, cavalo e ovos.
Nuno Vieira Brito sublinha que o Plano Nacional de Pesquisa de Resíduos e outras medidas de controlo de qualidade dos alimentos ainda estão a sofrer alterações.
Consensual, garante o diretor-geral de Veterinária, é a diminuição de competências da ASAE nesta matéria. Nuno Vieira Brito garante que tem mantido conversações com o diretor da ASAE que não se opôs nunca a esta alteração.

http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=2692908&page=-1

Sem comentários:

Publicar um comentário