sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Novo Think Tank da cortiça analisa estratégias para o sector

FILCORK propõe-se coordenar agenda da investigação florestal da fileira

Representantes da indústria, produção florestal, instituições públicas
e universidades responsáveis pela I&D+i na área do sobreiro e da
cortiça estiveram reunidos em Coruche para reflectir e delinear os
objectivos prioritários para o sector. O grupo Cork Think Tank, foi
criado pela FILCORK - Associação Interprofissional da Fileira da
Cortiça, que tem por objectivo fomentar a concertação
interprofissional entre todos os agentes que trabalham na fileira da
cortiça e promover uma articulação global entre os vários
intervenientes deste sector.

Nesta sessão de análise estratégica e debate, o grupo de trabalho da
FILCORK realçou a necessidade de investir e desenvolver a área de
I&D+i do sector. Pretende-se, assim, melhorar a coordenação e
liderança de projectos de investigação, evitando a sobreposição de
iniciativas, ao mesmo tempo que se definem prioridades de I&D+i que
respondam às necessidades e objectivos conjuntos das três áreas chave
do sector - mercado e indústria, produção e investigação.


Em relação ao mercado e indústria, as principais conclusões extraídas
da reflexão foram:

- tendência positiva de crescimento do consumo de vinho a nível
mundial, que inevitavelmente alavancará o aumento do consumo de
vedantes enquanto, simultaneamente, se assegura a competitividade da
rolha natural nos segmentos mais altos.
- aposta num contínuo investimento em I&D que permite ultrapassar os
desafios tecnológicas que surgem das exigências do mercado e, daí, a
necessidade contínua de melhorar a qualidade da matéria-prima cortiça.
- em relação a novas aplicações em cortiça, é fundamental que o
crescimento da procura seja baseado em produtos que maximizem valor.
- urgência na continuidade do trabalho desenvolvido no âmbito da
campanha Intercork.
No que diz respeito à produção florestal, o grupo de trabalho da
Filcork concluiu que :

- deve ser melhorada a produtividade unitária dos montados,
complementada com uma grande atenção a iniciativas que aumentem a
vitalidade do Montado e objectivem as questões qualitativas da matéria
prima.
- as externalidades devem ser melhor remuneradas e a certificação
florestal deverá ser reconhecida, ao nível de preço, por todos os
agentes do mercado.
- com vista a uma maior coordenação da fileira, os produtores precisam
conhecer as necessidades da indústria para melhor poderem orientar a
sua produção, optimizando os tempos de resposta entre a
indústria/mercados e a produção/floresta.
Finalmente e no que toca à investigação e desenvolvimento, área
crítica para o futuro de toda a fileira da cortiça, o Cork Think Tank
realça a imperiosa necessidade da FILCORK coordenar a agenda de I&D+i
e actualizar o seu estado da arte, criando sinergias efectivas,
evitando a sobreposição de objectivos ou inadequação dos projectos de
investigação às necessidades de mercado.

FILCORK .- Associação Interprofissional da Fileira da Cortiça
A FILCORK é uma associação de estruturas representativas do conjunto
dos agentes organizados da Fileira da Cortiça. É a primeira associação
interprofissional do sector florestal em Portugal reconhecida
oficialmente, sendo constituída pelas associações representativas dos
estádios da produção e da transformação: AFLOSOR: Associação de
Produtores Florestais da Região de Ponte de Sôr; ACHAR: Associação de
Agricultores da Charneca (Chamusca); APFC: Associação de Produtores
Florestais do Concelho de Coruche; ANSUB: Associação de Produtores
Florestais do Vale do Sado; AFLOPS: Associação de Produtores
Florestais; AFLOBEI: Associação de Produtores Florestais da Beira
Interior; SUBERÉVORA: Associação de Produtores Florestais da Região de
Évora; APCOR: Associação Portuguesa da Cortiça.

Fonte: apcor

http://www.agroportal.pt/x/agronoticias/2012/08/02e.htm

Sem comentários:

Publicar um comentário