segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Seca obriga à venda do gado

Drama: Ausência de chuva preocupa

A seca que afecta todo o País está a levar ao desespero milhares de
agricultores e produtores agrícolas. No nordeste transmontano, há já
quem tenha sido obrigado a vender o gado por falta de pasto.

1h00Nº de votos (1) Comentários (0)
Por:Secundino Cunha com J.N.P./P.G./J.N.




"Está muito difícil arranjar água para o gado. Todas as semanas tinha
de ir longe buscar seis ou oito metros cúbicos de água. Resolvi vender
o rebanho", disse ao CM Joaquim Morais, residente em Outeiro,
Bragança. "Há muita gente a vender o gado todo ou, pelo menos, uma
parte. O problema não é só a água para os animais beberem, é a que
falta nos campos e que faz com que não haja pastos", explica o
agricultor.
A aldeia de Outeiro é uma das quinze do concelho de Bragança que,
quase uma vez por dia, contam com o apoio dos bombeiros no
abastecimento de água. "Hoje as torneiras deixaram de deitar às 11h00.
São 16h30 e ainda não há água", disse ao CM Clara Fernandes, moradora.
Todos os dias, os cinco auto-tanques dos bombeiros de Bragança
percorrem mais de 300 quilómetros para abastecer as mães--de-água das
aldeias, que começaram a sentir a falta do líquido precioso em Maio.
"Metade da água é para encher a rede e no depósito só ficam 15 mil
litros que, para uma aldeia destas [Outeiro], onde vivem 250 pessoas e
há um lar com 50 idosos, não é nada", diz Paulo Gonçalves, motorista e
adjunto do comando dos BVB.
Na Cervejaria Bento, no centro da aldeia, o povo refresca-se à sombra,
a beber uma cerveja, e lamenta a falta de água. "Hoje tomei banho com
a água de uma garrafa de litro e meio que trouxe do supermercado",
afirma Zacarias Afonso Parreira. Já Manuel Paiva não tem dúvidas de
que este Verão é o mais seco dos últimos 40 anos. "O poço da minha
casa secou este ano pela primeira vez e está construído há mais de 50
anos", afirma o morador de Outeiro.
MAIS DE METADE DO TERRITÓRIO NACIONAL SOFRE COM SECA EXTREMA
No final de Julho, 58% do território estava em seca extrema, 26% em
seca severa, 15% em seca moderada e 1% em seca fraca. Os dados
recolhidos pelo Instituto de Meteorologia apontam para um
desagravamento da seca extrema no Norte e Centro, mas na bacia do
Arade (Algarve) o cenário é preocupante: a infra-estrutura regista
apenas 14% da sua capacidade.
VINDIMAS VÃO ATRASAR NA LEZÍRIA RIBATEJANA
No norte do Ribatejo, os criadores de gado aumentaram as despesas com
rações por causa da falta de pastos e não têm armazenagem para o
Inverno; a sul, na lezíria, os produtores de cereais, tomate e vinha
foram afectados pela ausência prolongada da chuva. "Os furos
aguentaram as regas, mas, se não chover para repor os lençóis
freáticos, o futuro pode ser complicado", adianta Amândio Freitas, da
Federação dos Agricultores do distrito de Santarém. No caso da vinha,
as temperaturas elevadas e a falta de humidade nos solos afectaram o
desenvolvimento normal dos cachos. "Fomos obrigados a recorrer à rega
e isso aumentou bastante os custos de produção", explica António
Noronha, da Agro Alpiarça. Para além da uva ter pouco grau, "as
vindimas vão ser feitas com três semanas de atraso".

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/actualidade/seca-obriga-a-venda-do-gado

Sem comentários:

Publicar um comentário