segunda-feira, 27 de junho de 2011

Agricultura: Produção conforme astros a ganhar adeptos

segunda-feira, 27 de Junho de 2011 | 11:09
Imprimir Enviar por Email

Concebida no início do século XX pelo alemão Rudolf Steiner, e
difundida, desde então, um pouco por todo o Mundo, a agricultura
biodinâmica começa a ganhar adeptos em Portugal.
Tendo por princípio uma conceção da natureza como parte do Universo,
dependente, por isso, das constelações, do sistema solar e das fases
lunares, a agricultura biodinâmica está na origem da agricultura
biológica, que acabou por adotar os processos que recusam o uso de
químicos.

"Atualmente há dois motivos pelos quais as pessoas se convertem à
biodinâmica. Uns por ideal de proteção, de cuidado e mesmo cura da
Terra. Outros por fins comerciais, porque há um mercado que procura
mais produtos Demeter", a organização internacional que certifica esta
prática agrícola, disse à agência Lusa o, para já, único consultor da
instituição em Portugal.
João Castella é o responsável pela certificação, desde 2006, de quatro
produtores em Portugal, essencialmente de azeite, vinho e sumo de uva,
e tem em vias mais três certificações.
Uma delas, de fruta, começa a dar os primeiros passos num terreno que
partilha com uma amiga na zona de Tomar, e que está a preparar desde
janeiro, para fazer a plantação no próximo inverno. As outras são de
explorações de hortícolas, em Alpiarça, e vinho.
A qualidade e o sabor dos produtos biodinâmicos tem vindo a ganhar
adeptos – "os vinhos, por exemplo, são muito premiados" -, pelo que há
produtores a pedirem o caderno de encargos da Demeter e a converterem
as suas explorações, não por serem seguidores da filosofia que está
por detrás dos princípios da biodinâmica – a Antroposofia -, mas
porque constatam os resultados da prática, afirmou.
Entre as explorações que seguem este método em Portugal encontram-se
duas produtoras de azeite, uma de sumo de uva e outra de vinhos, que
optou não pela certificação Demeter mas pela inclusão no grupo de
opinião mundial "Renaissance des Apellations", que, disse, tem
critérios "ainda mais exigentes".
No terreno que prepara para receber o pomar biodinâmico, João Castella
está a fazer os compostos orgânicos que vão "desbloquear" e repor o
equilíbrio do solo, "preparados" que incluem extratos de plantas,
bosta de vaca e minerais, como cristais de quartzo.
"A natureza é um todo. Estas plantas não crescem aqui por acaso. Se
aqui estão é porque têm uma função. Há um conjunto de forças a atuar
nesta terra que é preciso conhecer e respeitar", disse.
É assim que, em biodinâmica, a preocupação é "ir às origens", para,
por exemplo, corrigir os desequilíbrios que levam ao aparecimento de
pragas, exemplificou.
"Na biodinâmica há a consciência de que nada surge por acaso e que a
natureza não cria só para se divertir. Há sempre uma razão por detrás
do aparecimento de qualquer espécie viva ou de qualquer problema e
essa razão são forças invisíveis, mas que existem e se manifestam
desta maneira", afirmou.
João Castella adaptou para Portugal o caderno lunar desenvolvido por
uma seguidora de Steiner, Maria Thun, que ao longo de 60 anos de
experimentação reuniu informação sobre os melhores dias para cada
prática agrícola, de acordo com as fases lunares e os astros.
"Hoje, por exemplo, é um dia bom para qualquer planta de que vamos
tirar frutos, porque todas as influências cósmicas – no fundo o que dá
qualidade aos produtos – nestes dias estão a incidir na formação da
fruta. Fazendo os trabalhos nestes dias estamos a facilitar a vida à
natureza. Fazendo noutro estamos a criar barreiras, a dificultar o seu
desenvolvimento", disse.
João Castella sublinha que esta prática agrícola "não é muito cara",
mas "dá muito trabalho, exige muito esforço pessoal, muito empenho".
Diário Digital / Lusa
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=13&id_news=518160&page=0

Sem comentários:

Publicar um comentário