quarta-feira, 21 de novembro de 2012

EDP considera "perfeitamente aceitáveis" recomendações da UNESCO para a Barragem do Tua

Por Agência Lusa, publicado em 20 Nov 2012 - 20:16 | Actualizado há 1 dia 1 hora
Share on printImprimir Share on tweetEnviar

O diretor do projeto da Barragem do Tua, António Freitas da Costa,
afirmou hoje à agência Lusa que as recomendações da UNESCO são
"perfeitamente aceitáveis" e que a EDP vai dar resposta a essas
recomendações.

O Ministério da Agricultura e Ambiente divulgou em outubro que o
relatório da missão da UNESCO ao Douro concluiu que a construção do
aproveitamento hidroelétrico de Foz Tua, de acordo com o projeto
revisto, é compatível com a manutenção do Alto Douro Vinhateiro (ADV)
na Lista do Património Mundial".

A organização mundial fez, no entanto, críticas ao processo e exige
medidas de mitigação cuja concretização, de acordo com uma plataforma
composta por ambientalistas, defensores da Linha do Tua e quintas do
Douro, "será mais cara do que parar a barragem".

A UNESCO concorda com o enterramento da central elétrica, num projeto
do arquiteto Souto Moura, mas exige conhecer e pré-aprovar soluções
para a subestação e para a linha de muito alta tensão.

A organização recomendou ainda a criação de um "Plano de Gestão da
Zona", com força de lei, que proteja o Douro "dos impactos cumulativos
de infraestruturas como barragens, linhas elétricas e estradas, como
por impactes incrementais resultantes da ausência de políticas de
gestão consistentes".

Este plano terá de ser submetido à UNESCO até 01 de fevereiro 2013.

"Do nosso ponto de vista as recomendações da UNESCO são perfeitamente
aceitáveis e nós vamos dar resposta às recomendações que nos
enviaram", afirmou hoje António Freitas da Costa.

O responsável explicou que a barragem segue o seu processo construtivo
a "um ritmo mais lento" do que inicialmente previsto, como foi
recomendado pela organização mundial e Estado português.

A previsão inicial apontava para a conclusão da obra em finais de
2015, tendo esse prazo sido alargado para setembro de 2016.

"Tínhamos previsto iniciar os betões do paredão da barragem em meados
deste ano e a nossa previsão é que comecem só em julho ou agosto do
próximo ano, após todas estas respostas que temos que dar às
recomendações da UNESCO", acrescentou.

Freitas da Costa falava à margem da apresentação do Parque Natural
Regional do Vale do Tua (PNRVT), que será criado no âmbito das
contrapartidas pagas pela EDP pela construção da Barragem de Foz Tua.

O parque terá 25 mil hectares e vai estender-se ao longo dos concelhos
de Alijó, Carrazeda de Ansiães, Mirandela, Murça e Vila Flor.

http://www.ionline.pt/portugal/edp-considera-perfeitamente-aceitaveis-recomendacoes-da-unesco-barragem-tua

Sem comentários:

Publicar um comentário